Arquivo para a categoria ‘Gente inútil’

A Petrobras é nossa

18:59 | 08/06/09 | Jones Rossi

Muito legal essa história de blog da Petrobras. Quem melhor pode ensinar jornalismo ao Brasil que profissionais de assessoria de imprensa? Lembro dos tempos de faculdade, quando todos nós almejávamos o cargo mais alto do jornalismo: assessoria de imprensa. Correspondente de guerra, jornalismo científico? Isso era para os sem ambição, os fracassados.

Ninguém entendeu melhor a internet que eles. Mal posso esperar pelos novos e estimulantes passos dessa galera da pesada que vai aprontar altas confusões contra os malvadões da velha mídia. Imaginem só quando sair o twitter da Petrobras? Falta o Facebook da Petrobras e um perfil no Orkut com fotos do churrasco do fim de semana na plataforma P-alguma coisa, devidamente cheia de comentários dos mil e lá vai cacetada funcionários da comunicação: “KI FOTU BUNITA”. “ME ADD”. “OLHA A CLAUDINHA MAMADA, RSRSRS”.

Na real, achei ótima a iniciativa. Eu tenho o humilde costume de gravar não só minhas entrevistas, mas também o contato com as assessorias de imprensa. Então, nada mais justo que divulgar a conversa inteira. Certa vez, outra estatal de energia simplesmente mandou um email à minha editora na época negando ter dado uma entrevista para mim, simplesmente por não gostarem do que foi publicado. Em vez de refutar com argumentos, o que não poderiam fazer, já que a matéria estava correta, resolveram negar tudo. O problema é que eu tinha tudo gravado, em MP3, disponível via iTunes, RSS e o que mais quisessem.

Então, aproveitando este espírito de transparência suprema, comemoro a nova era estabelecida pela assessoria da Petrobras, que jamais teve a intenção de acossar jornalistas e estragar a apuração prévia. Afinal, se você é jornalista, trabalha sério e consegue informações exclusivas, por que não torná-las públicas via blog da Petrobras, para toda a concorrência ver? Esse negócio de sigilo é tão pré-twitter, tão pré-iPhone apps. Vamos evoluir, gente.

Sent from my BlackBerry Wireless Handheld

Eu não mereço esse tipo de coisa

8:09 | 13/01/09 | Rodrigo Alvares

Foto: Jefferson Bernardes / Palácio Piratini
couromoda21.jpg

“Aí, todo mundo junto agora para 2010 pela Dilma, OK? OK”

Yeda recepciona Lula em estande coletivo do RS na Couromoda

‘A Couromoda se realiza em São Paulo, mas ela é, sem dúvida, uma feira gaúcha. O Rio Grande do Sul é fundamental para a realização da Couromoda‘, destacou a governadora.”

Pena que não discutiram sobre como os calçadistas do Bovinão importam produtos da China e maquiam tudo para receber um Iso Gaúcho é Melhor em Tudo.

Ciao

1:06 | 05/01/09 | Leandro Demori

Caros,

É fatídico o momento, mas se faz necessário.
Estou deixando A Nova Corja.

cane.jpg

Depois de dois meses na Europa é hora de curar a ressaca mortal, parar de brincar na neve, encerrar as festas de final de ano e partir para algo realmente útil. A quem interessar possa [oi, mamãe] passarei uma temporada na Faculdade de Sociologia da Universidade de Urbino, Itália, cursando especialização sobre Editoria, Mídias e Jornalismo. O foco será a nossa tão amada tenéti (Braziu, 2045).

Obrigado a todos, um abraço aos amigos e a PONTA DA MINHA ADAGA aos rastejantes. Quem quiser pode me acompanhar em meu novo blog pessoal, ainda inicial, mas já operante.

http://leandrodemori.com

Cordiali Saluti,

Substitua a palavra “sino” por (aqui vai uma palavra) e entenda o Braziu

15:32 | 01/01/09 | Leandro Demori

(da Folha)

Ministros participam de confraria que furtou sino de universidade gaúcha

Ao longo dos últimos 40 anos, ministros, juízes e advogados militam em uma confraria dedicada a esconder um sino furtado da faculdade de direito da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul).

Entre os membros da chamada Ordem do Sino estão o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal e atual ministro da Defesa, Nelson Jobim, o vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça, Ari Pargendler, e o corregedor do Conselho Nacional de Justiça, Gilson Dipp.

nelson-jobim-sucuri.jpg
Esconder o sino até que foi mole

O sino de bronze, cujas badaladas marcavam o início e o fim das aulas na faculdade, foi surrupiado pelos formandos da turma de 1968 e desde então circula entre os ex-alunos, que se recusam a devolvê-lo ao patrimônio da universidade.

Em 1978, dez anos após a formatura da turma, a Ordem do Sino ganhou até um estatuto –que considera o produto do furto “símbolo da turma” e estabelece uma liturgia de alternância anual na guarda do sino.

Todos os anos, durante um jantar comemorativo em novembro, a peça troca de mãos. Segundo a advogada Maria de la Luz Kramer, que faz parte da ordem, o critério para ter o privilégio de esconder o sino da faculdade é o maior número de participações nos jantares anuais dos ex-alunos de 68.

Nelson Jobim furou a fila em 1997. Menos assíduo do que outros egressos, recebeu a “honraria” logo após se tornar ministro da mais alta corte do país. Amigos de Jobim contaram à Folha que ele guardava o sino no seu gabinete no STF.

Pargendler já foi “agraciado” em 1988. Dipp, com retrospecto de oito jantares de ex-alunos, ainda aguarda sua vez.

“Não devolveremos o sino até que haja apenas um sobrevivente da nossa turma”, diz o advogado Paulo Wainberg, 64, que guardou o sino até o final de novembro. Dos 93 formandos de 1968, 16 já morreram.

[Pausa para MOMENTO BRAZIU EM RESUMO]
Os integrantes da Ordem do Sino minimizam a subtração do bem público. Wainberg prefere usar o vocábulo “empréstimo” a furto para designar a posse do objeto.
[OK]

“Esse sino tem a história de uma das turmas mais brilhantes da faculdade. O roubo em si ficou em segundo plano. É uma história de união, somos a única turma que se reúne todo ano”, defende Kramer.

Durante muito tempo, a “maçonaria” do sino guardou segredo sobre os nomes dos autores do furto. A façanha é atribuída ao ex-chefe da Casa Civil do governo Alceu Collares (1991-1994), Conrado Alvares, morto em 1992.

Ontem à tarde, a Folha confirmou que o sino furtado está em Porto Alegre, na casa do juiz aposentado Elvo Pizzato.

A peça de bronze, com cerca de 30 centímetros de altura e 10 quilos, traz gravados os nomes dos que já a esconderam.

Pargendler se recusou a comentar o caso. A reportagem não localizou Jobim nem Dipp.

Mamãe eu quero (morrer)

18:54 | 10/12/08 | Leandro Demori

Do EGO [com comentários meus]:
“Valeska Popozuda escreve música para Lula e quer levá-lo ao baile funk”

lula_with_lasers.jpg

“Não bastou um abraço e ser elogiada pelo presidente Lula. A funkeira Valeska Popozuda, a vocalista da “Gaiola das Popozudas” [morro infinitamente a cada segundo], quer mais. Ela quer que o presidente a ajude a tornar o funk conhecido internacionalmente, como o samba [apóio].

A loira não pensa em outra coisa desde que teve dois minutinhos ao lado de Lula, na quarta-feira, 3, no canteiro de obras do PAC, no Complexo do Alemão, no Rio. Para atingir seu objetivo a funkeira está escrevendo um “batidão” para o presidente, que espera entregar em mãos.

[segue entrevista fatal]

Você está escrevendo uma música para o Lula após o encontro que teve com ele. Qual é a sua intenção com o presidente?
Espero que ele bata o martelo: funk é cultura. Todos têm que aceitar e parar com a discriminação. O povo já abraçou o funk, só falta o presidente. Isso seria bom para ele.

Por quê?
Porque ele seria abraçado pela comunidade do funk, que é povão. Quem sabe eu não consigo levar o Lula a um baile funk comigo. Mas seria pra ele curtir, e não ficar escondido.

Mas você acha que a galera ia deixar ele à vontade?
Claro! A galera ia bater palma e gritar o nome dele. Soube que o governador Sérgio Cabral quer conhecer um baile. Tem que ir sim, conhecer o outro lado e viver o momento com a gente[mmmm].

O que você achou do Lula pessoalmente?
Achei ele muito simpático. Ele fala daquele jeitinho mesmo, engraçado. Eu achei que era só pela televisão. [Jesus me belisca]

Que jeitinho?
Ah, aquela voz rouca, né?

Ele te falou alguma coisa?
Me abraçou, disse que eu era bonita e perguntou se eu malho muito. Foram dois minutos de alegria.

Se a primeira-dama, dona Marisa, estivesse ao lado você abraçaria ele assim mesmo?
Claro! Ele é dela lá na casa deles. Fora isso, ele é do povo.

O que seus amigos disseram de seu encontro com o presidente?

parental2.gif

SIM, EU SOU UM ADULTO SAUDÁVEL E QUERO LER

(more…)

Tudo pelo social

17:06 | 10/12/08 | Jones Rossi

 Dono do mar

Foram gastos R$ 5 milhões – mais R$ 500 mil de verba para distribuição – e seis anos para que o filme “O dono do mar”, adaptação para o cinema do livro homônimo escrito pelo senador José Sarney (PMDB-AP), ficasse pronto. Segundo o diretor, Odoryco Mendes (com Y mesmo, embora apareça grifado com “i” no material de divulgação do filme), a demora se deveu ao cuidado com os efeitos especiais. “Foram dois anos fazendo e várias vezes jogando fora”, afirmou.

O atraso causou constrangimentos aos atores. “Nos primeiros meses [após as filmagens] havia uma expectativa grande de ver o filme. Eu avisava minha mãe que estava para sair. Depois da décima vez, ela dava risada”, disse Jackyson Costa, que vive o pescador Antão Cristório, protagonista do filme. “Eu passava por mentirosa quando falava que tinha um filme no currículo”, afirmou Daniela Escobar, que faz Camborina, mulher de Cristório.

Outro problema, segundo Odoryco, era a concorrência nas salas de cinema com as grandes produções americanas. “Não adianta lançar ‘O dono do mar’ junto com ‘Homem-Aranha’. Todo mundo vai ver ‘Homem-Aranha‘. Até eu.”

Mas, pelo menos na pré-estréia realizada em São Paulo*, as três salas do HSBC Belas Artes lotaram com convidados (embora gente sem convite também tenha entrado nas sessões), inclusive o governador de São Paulo, José Serra.

Acompanhado do secretário de cultura, João Sayad, foi abordado pouco antes do início da sessão por Isadora Ribeiro, que pedia ajuda para ter sua filha inscrita em um programa do governo que dá um leite especial – que chega, segundo Isadora, a custar R$ 400 - a crianças com alergia. Serra pediu para que ela falasse com um assessor. Depois, na hora de se apresentar com o resto do elenco para o público, a atriz não esqueceu de agradecer ao “digníssimo e excelentíssimo” governador José Serra.

Poucos minutos depois, o próprio governador e o senador José Sarney estariam vendo Isadora, no papel de Maria das Águas, mostrando sua genitália para o pescador Antão Cristório, em uma cena de “O dono do mar”. Cristório é o personagem principal do filme, que retrata sua vida como pescador no litoral do Maranhão, cercado de mulheres e espíritos. Depois do assassinato do filho, Jerumenho (Sérgio Marone), Cristório fica desgostoso com a vida e passa a relembrar o passado.

Mesmo sem se tratar de uma pornochanchada, o protagonista mantém relações sexuais com todas as mulheres que possuem algum linha de diálogo no filme. Nem Pepita Rodriguez, mãe do ator Dado Dolabella, que interpreta uma anciã “velha, gorda e com os dentes estragados” – como a própria atriz definiu seu personagem – escapou da sanha de Cristório.

O pescador também rouba Camborina e a leva para morar com ele. Sem ser virgem, Camborina decide dar sua irmã Germana (Regiane Alves) como “dote” ao marido na noite de núpcias.

A amante de seu filho, vivida pela atriz Paula Franco, também é atacada por Cristório, que, em flashback, mantém relações com Quertide (Sâmara Felippo), seu primeiro amor. Isso sem contar a personagem de Isadora Ribeiro, que foi convidada a participar do filme por Odoryco durante o aniversário da cantora Débora Blando. “Maria das Águas é a inspiração das noites solitárias dos pescadores”, disse.

Alexandre Paternost (de “O quatrilho”) e Odilon Wagner compõem o “núcleo de realidade fantástica” do filme. Paternost é Querente, um pescador que não envelhece e volta e meia se transforma em um navegador português do século XVI. E Wagner é Aquimundo, um espírito que aparece para Cristório em alto-mar. Os efeitos especiais que “levaram dois anos” para serem feitos são mostrados quando os dois estão em cena, e lembram episódios antigos do Chapolin, daqueles em que ele “voava” em cena.

“É um filme difícil para o público. Papo cabeça de montão. Mas é sensual e engraçado”, resumiu o diretor Odoryco Mendes.

Depois de ver sua obra nas telas, José Sarney não parecia muito satisfeito. “Acho que fizeram um bom trabalho, mas a linguagem é outra. Não tem como comparar literatura com cinema”, afirmou.

*O filme foi lançado em 2007

O trailer você vê aqui

Novo header oi!

19:37 | 04/12/08 | Jones Rossi

lulavaleska

Valeska Popozuda conhece Lula

Bônus track
Veja ensaio da funkeira Valeska Popozuda em um mercado de frutas

Passando o dia com os deputados

16:16 | 25/11/08 | Jones Rossi

08h42 - Setor de turismo debate preparação para a Copa do Mundo

09h18 - Comissão debate imigração de profissionais estrangeiros

09h40 - Primeiro-ministro de Cingapura visita a Câmara

09h43 - Amazônia discute Declaração dos Direitos dos Povos Indígenas

09h46 - Parlamentares brasileiros e europeus debatem preservação ambiental

10h18 - Deputados participam de congresso contra exploração infantil

11h54 - Frente avalia sugestões da sociedade sobre política climática

13h44 - Plenário encerra sessão extraordinária sem votações

(Cortesia da ‘Agência Câmara’)

Esclarecendo a linda obra abaixo

8:45 | 20/11/08 | Jones Rossi

Falei com o vereador Agnaldo Timóteo (PR), que circulou esses dias pela Câmara Municipal com um retrato deveras intrigante (como vocês podem conferir no post abaixo) do presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama. Mostrou a vários colegas e até para um programa da TV Câmara. O motivo? Quer ajudar o autor da obra, o angolano Bantu Tabasisa (melhor nome),  que, segundo Timóteo, está “enfrentando muitas dificuldades e não recebeu nenhum apoio do consulado angolano.”

Por intermédio do próprio vereador, os quadros de Tabasisa estão em exposição na entrada da Câmara, provocando a curiosidade dos transeuntes. Mas Timóteo quer mais: vai comprar dois quadros (inclusive o de Obama) assim que voltar de Manau$, onde fará um show (”no momento estou sem dinheiro”), e também vai mandar um e-mail para José Eduardo dos Santos, presidente de Angola, relatando a difícil situação de seu compatriota. A certeza de que o e-mail será lido? “O presidente sempre se hospedava em um hotel na frente da minha casa. E ele conhece minha música.”

Um abraço e um até mais

7:00 | 31/10/08 | Leandro Demori

Querido(a) leitor(a),
Este é um post de despedida.

Depois de tempos de caos, gozo e agonia é hora de dizer até logo. Estou me mudando para a Itália e devo me afastar desta Corja por dias, semanas, meses. Precisarei de algum tempo para escolher entre os pontos de interrogação daqui por diante.

É momento de sincera dor no peito.

O processo de decisão para mudar de país foi longamente planejado e apreensivamente improvisado. A fase do planejamento passou. Agora é contar com a sorte. Foi uma saga por cartórios, bancos, repartições, consulados e todo o tipo de órgãos públicos. Sempre que entrava em um deles acionava o cronômetro do meu celular. Até agora, esperei sentado (ou em pé) por mais de 15 horas - tudo devidamente registrado. Considero um bom estágio para suportar a burocracia italiana. Obrigado, Braziu.

Desde que passei a fazer parte do blog muita coisa aconteceu. Sob minha (ir)responsabilidade estão diversos posts, tosco-montagens, homenagens, banners, brigas compradas, provocações, furos, perda de tempo e mais perda de tempo. Como bom bovino brasileiro, entretanto, o que mais me orgulha é minha carreira de MC funkeiro, sobretudo pelo primeiro grande sucesso (a gente nunca esquece). Dá até uma fatuidade besta saber que deputados passaram a se cumprimentar com um “fala, liderança” pelos corredores da Assembléia. Sentir orgulho por espalhar a demência alheia, juro, é culpa do meu lado jornalista e malvado.

Em breve (talvez) começarei um novo blog.
Por hora, quem quiser pode me acompanhar por aqui ou por aqui.

Foram tempos sensacionais.
Obrigado a todos e vai daqui o meu abra$$o.

Leandro Demori, 31 de outubro de 2008.

eu.jpg

PMDB Fight (política de segurança)

16:11 | 27/10/08 | Leandro Demori

O goLLpe finaLL da campanha de José Fogaça dado ontem em um repórter da Folha (Petista-Rosarista-malvada) acalmou a bovinagem. Pela primeira vez na história da capital melhor em tudo um prefeito mostra que tem condições de assumir a segurança da cidade. No melhor estilo Cel. Mendes, o PMDB gaúcho deu sinais de que está disposto a resolver tudo de forma democraticamente esbofeteada.

Abaixo, um furo de reportagem: trecho exclu$ivo de um vídeo em que o prefeito reeleito José Fogaça mostra para o coordenador-de-campanha-caído (culpa da Folha, obviamente) Fernando Záchia como o partido pretende tratar os jornalistas du centru du país que descem até o Pampa para atiçar os melhores políticos do mondo. Foram poucos segundos de filmagem antes de nosso câmera…

Ninguém que a gente conheça?

10:00 | 24/10/08 | Leandro Demori

Penitenciária Regional de Caxias recebe primeiros detentos

Faliu? Cadê?

13:33 | 13/10/08 | Walter Valdevino

Estou profundamente deprimido. Tenéti naummm funssiona i eu queru asseçar:

http://www.estado.rs.gov.br

sitegovernofalido.jpg

Duvidando? PDF djá.

WoLLta!

Vote nu

15:43 | 04/10/08 | Walter Valdevino

Geniau essa campanha da mídia má, feia, bobona e gollpista para que todo mundo vote con$ciente amanhã.

É geniau porque é simplesmente IMPOSSÍVEL escolher um candidato para votar. Nas outras cidades eu não sei, mas aqui na capital bovina tá dureza.

A Transparência Brasil divulgou na última quarta-feira um estoooodo mostrando por A + B que “88% da atividade legislativa dos vereadores de Porto Alegre é irrelevante“.

OITENTA E OITO POR CENTO = IRRELEVANTE.

Nas palavras da própria Transparência:

De 1.442 mil projetos apresentados entre 2005 e 2008 pelos vereadores que se encontram em exercício, 694 foram aprovados. Apenas 171 dessas propostas que se tornaram lei se referiam a assuntos com impacto sobre a vida e a administração da cidade. Os demais projetos aprovados - mais de 500 - dedicavam-se a homenagens, fixação de datas comemorativas e outros assuntos irrelevantes.

Isso resulta numa taxa de relevância (projetos relevantes aprovados em relação ao total de projetos apresentados) de 12%. Assim, pode-se dizer que a irrelevância da atividade legislativa na Câmara porto-alegrense é de 88%.

(…)

Fazendo o mesmo cálculo para cada um dos vereadores, a média de produtividade relevante dos integrantes da Câmara foi de apenas 11%. Só dois ultrapassaram a marca dos 25% de relevância e nenhum chegou a 34%.

Depois do estoooodo foi possível avaliar o índice de relevância de cada vereador de nossa querida capital bovina. Vamos à lista em ordem decrescente de relevância. Sugestão: tem vários concorrendo à reeleição, portanto, dê uma conferida:

Vereador - Índice de relevância

Margarete Moraes - 33,3%
Carlos Todeschini - 26,2%
Bernardino Vendruscolo - 22,8%
Elói Guimarães - 22,7%
Professor Garcia - 21,4%
Luiz Braz - 21,1%
Aldacir Oliboni - 20,7%
Neuza Canabarro - 20,6%
Sofia Cavedon - 19,0%
Elias Vidal - 17,9%
José Ismael Heinen - 15,8%
João Antônio Dib - 15,0%
Maria Celeste - 14,7%
Alceu Brasinha - 13,8%
Ervino Besson - 13,2%
Dr. Raul - 12,5%
Adeli Sell - 11,8%
Carlos Comassetto - 10,7%
Maurício Dziedricki - 9,1%
Sebastião Melo - 8,8%
Claudio Sebenelo - 7,0%
Maristela Maffei - 6,8%
Almerindo Filho - 6,7%
Dr. Goulart - 5,6%
Maria Luiza - 3,1%
Haroldo de Souza - 2,9%
Nereu Davila - 1,6%
João Carlos Nedel - 1,6%
Beto Moesch - 0,0%
Guilherme Barbosa - 0,0%
Marcelo Danéris - 0,0%
Maristela Meneghetti - 0,0%
Mauro Zacher - 0,0%
Nilo Santos - 0,0%

Para tornar tudo mais divertido, a Transparência também analisou a bufunfa gasta com nosso queridos representantes:

A Câmara Municipal do Porto Alegre tem um orçamento para 2008 de pouco mais de R$ 68,4 milhões (o que significa R$ 1,9 milhão por cadeira de vereador), um montante baixo para os padrões brasileiros mas ainda assim mais elevado do que, por exemplo, o custo de um parlamentar argentino, chileno, português ou espanhol. Cada habitante de Porto Alegre contribui com R$ 48,15 para a manutenção de sua Câmara de Vereadores.

Cada vereador recebe um salário de R$ 8.561,00. Cada parlamentar recebe 14 salários por ano, dois deles a título de “ajuda de custo”. Além disso, os edis porto-alegrenses têm o direito de nomear até
seis assessores parlamentares por comissão, cujos salários variam entre R$ 722,00 e R$ 5.591,66
.”

Nesta tabelinha delícia você pode avaliar a irrelevância de cada vereador de acordo com os projetos apresentados e os promulgados:

transparenciapoa1.jpg

O estoooodo completo você confere no site da Transparência ou diretamente em pdf aqui. Vale também conferir a lista dos campeões em projetos de “batismo de logradouros”, “homenagens”, “datas comemorativas” e outros temas absolutamente relevantes, indispensáveis, sérios, etc.

Boa sorte amanhã na urna.

E lembre: BEBA MUITO E NÃO VOTE CON$CIENTE JAMAIS.

Políbio Braga x A Nova Corja

13:31 | 23/09/08 | Leandro Demori

Indo pra lá.