Caçada ao Último Petista do Brique da Redenção

10:21 | 24/07/06 | Rodrigo Alvares

O vento minuano da manhã desse domingo fustigou bandeiras e penteados dos militantes presentes ao Brique da Redenção. A passarela oficial da política gaúcha foi loteada em uma área do parque, um curral para interesses de todas as espécies. A turma pedetista, concentrada no começo da avenida, entoava:

Collares, de novo

Governador do povo

Foto: Adriana Franciosi/ ZH
brique.jpg

No caminho das bancas, uma banda alemã animava muito mais gente com a propaganda de erva mate que era divulgada. Alguns metros adiante, um senhor segurava um mega-pirulito com o rosto de Alceu Collares (PDT-RS). Alegre, distribuía panfletos do seu candidato. Um paraplégico aproximou-se dele e entrou na euforia:

Collares, de novo

O pedetista ficou tão feliz com aquele ato espontâneo que se aproximou da cadeira de rodas, ao que teve como resposta:

Pra roubar do povo

Ele se irritou, mas levou na esportiva. Seguiu sua caminhada sob os auspícios de Collares, sem esconder suas opiniões. Um partido se destacou nesse sentido.

Pela visão de hoje, seria possível crer que o PT acabou no RS. Que virou uma atividade clandestina e seus integrantes precisam ir para as ruas à paisana. Todos tinham pequenos adesivos de seus candidatos coladas às roupas. E só. A banca petista tinha pouca procura. Me aproximei: Posso pegar uns materiais de campanha? O militante ficou pasmo. Começou a me passar tudo que tinha, em um misto de gratidão e constrangimento.

Eu estava empenhado na caça ao Último Petista do Brique da Redenção. Encontrar alguém empunhando uma bandeira vermelha desde minha chegada ao parque se confirmava uma tarefa ingrata. Mas achei. Ele estava solitário no meio da rua. Tentava distribuir panfletos, mas era inútil. Olhares rancorosos se misturavam aos de escárnio e todos passavam por ele com desprezo nos dentes. Pedi uns folders. Arredio, deu meio passo para trás e ficou me encarando. Não parecia raiva. Os petistas estão com o Medo nos olhos. Triste sina para o Último Petista do Brique da Redenção.

Ao final, a única passeata que vi foi a da banda alemã – a da propaganda de erva mate. Agradou e agregou a todos, de bêbados a crianças chapadas de loló.

Postado por Rodrigo Alvares, 10:21, 24/07/06, na(s) categoria(s) Eleições 2006. Você pode acompanhar os comentários deste post através do feed RSS 2.0. You can skip to the end and leave a response. Pinging is currently not allowed.

2 comentários para “Caçada ao Último Petista do Brique da Redenção”

  1. Tosco diz:

    Nao tenho visto petistas em minha cidade.. nem adesivos em carros, nem bandeiras, nem mesmo panfletos.
    Mas, segundo as pesquisas, eles existem as pencas! vai saber…

  2. lunnares diz:

    eu tbem estava no brique ontem e acho que @s petistas tão com medo sim!
    e aí lembrei que fomos nós tbém que ensinamos como se ganha uma bandeira…
    e por isso tanta gente carregava a sua por lá.
    Porque isto foi ensinado e aprendido nos últimos 20 anos.
    O mais difícil não é ganhar uma bandeira é como é que faz pra continuar com ela por aí. Isso nos faltou.

Comente