Cheiro de carne queimada

16:49 | 27/01/05 | Gabriel Brust

Conversando esta tarde com um senhor conhecedor dos meandros das Polícias Militar e Civil, fui alertado sobre um detalhe da execução do Melara. O principal criminoso do RS foi morto com mais de 20 tiros, vários deles no rosto. Execução por queima de arquivo é bem mais higiênica, normalmente dois tiros, um deles na cabeça. A brutalidade do caso leva a pensar em vingança.

Melara foi o líder da maior rebelião do sistema prisional gaúcho, em 1994, que culminou com a invasão do Hotel Plaza, em Porto Alegre, por um táxi. Durante a perseguição, um policial militar foi morto.

Tags: , ,

Postado por Gabriel Brust, 16:49, 27/01/05, na(s) categoria(s) Povo Bovino. Você pode acompanhar os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Deixe um comentário ou coloque um trackback em seu site.

3 comentários para “Cheiro de carne queimada”

  1. Hermano diz:

    Carlos, tu me fez babar entre gargalhadas com o rigor jornalístico desta tua NOTA.

  2. Douglas Ceconello diz:

    Deixa o cara TRABALHAR, Hermano. shsghs.

  3. Thiago diz:

    Não era o Melara. Mataram o Jairo, que me deixou esperando quarta de tarde. Por isso tanto tiro na cara.

Comente