Fui dar uma volta para catar a piedade alheia

12:12 | 24/07/09 | Rodrigo Alvares

Foto: Cris Castello Branco / Governo do Estado de SP
6728906.jpg
Vocês também avisam os nóia da Crackolândia antes de serem presos?”

Tags: , , ,

Postado por Rodrigo Alvares, 12:12, 24/07/09, na(s) categoria(s) Desgovernada Yeda. Você pode acompanhar os comentários deste post através do feed RSS 2.0. Deixe um comentário ou coloque um trackback em seu site.

25 comentários para “Fui dar uma volta para catar a piedade alheia”

  1. orson diz:

    Agora, adundou de vez a candidatura do Zé Serra à presidência.

  2. orson diz:

    afundou … abundou

  3. GBRL diz:

    Ministra da Saúde com Serra presidente.

  4. van diz:

    Tô pegando nojo.

  5. Carmencita Inalámbrica de Los Andes diz:

    Que cabelinho mais… mais… sei lá, tipo assim!

  6. conde e condessa drácula diz:

    Nóis não avisa, Rodriguinho, o Andreas Matarazzo tá bolando um plano de extermínio dus póbre tudo.

  7. Marcos diz:

    Bah. Que duplinha, ein? Serra e Yeda! Será que não vão dançar a valsa dos pombinhos ao ritmo do Lago dos Cisnes….

    Van = Versão feminina do ‘Magro do Bonfa”.

  8. João Carlos Cembranel diz:

    O povo descolado não para de chegar a Saint-Tropez, cidade dona do verão mais badalado da Europa. Na noite desta quinta-feira (23), a turma se reunião no club Les Caves, que viu a pista bombar.

    Daniella Sarahyba e o marido, Wolff Klabin, festejaram até o sol raiar. Azuri e Alessandra Safra, Dani Cutait e Jair Ribeiro seguiram o exemplo. Os baladeiros só deixaram a ferveção de lado depois que as luzes foram acesas e o DJ Jack desligou o som. Haja fôlego!

    Bjs, Vivi.

    (PS: vamos pesquisar sobre como melhorar a vida do Brasileiro, acabar com a roubalheira no congresso e deixar feliz o País inteiro… pera pera pera aíííí… pensando melhor, tou indo direto para St Tropez, que-que-eu-to-fazendo-aqui?!!)

  9. van diz:

    “Essa obra é paga pelo povo, com o dinheiro do pedágio.”
    O governador Serra e o prefeito Kassab assim anunciaram a ampliação da Marginal Tietê, com 3 pistas a mais de cada lado e pelo menos mais 3 pontes estaiadas q. serão construídas até março do ano que vem.
    ——————————————————————————-
    Seis meses antes na megalópolis….
    O Sindicato dos Arquitetos do Estado de São Paulo com o apoio de mais quatro ONGs impetrou uma ação civil pública para interromper as obras, questionando o Impacto Ambiental.
    Segundo o governo como é uma obra de impacto apenas no Município, cabe à Prefeitura conceder o parecer, o que permitiu acelerar a obra. Com essa decisão, foi possível, em tempo recrde preparar um relatório, aprovando a obra em apenas 6 meses e em apenas uma audiência pública. As infos. são do Estado de São Paulo.
    Segundo o mesmo jornal o gov. investirá R$ 800 milhões.
    Serra se limitou a dizer que os recursos “já estão devidamente separados”. Esta verba será destinada apenas para a construção de 15 quilômetros. O restante será custeado pela concessionária Autoban, dentre outras menos votadas.

    Eu acho a conclusão bunita. Fala Zé Pedágio: ‘Não vai resolver os problemas do trânsito, mas vai aliviar e acrescentou: Essa obra é paga pelo povo, com o dinheiro do pedágio”.
    Então tá. E por que antes de começar outra obra faraônica não termina o Rodoanel?

  10. Carmencita von Ink-om-Taxis diz:

    Até que enfim, Vã!

    Alguém tinha que ter a coragem de quebrar a frieza do tempo e a falta de tempo nos comentários. Muito destempero! As pessoas precisam voltar a interagir mais. Preciso de mais oportunidades para exercer o karma yôga interativo online.

    Ugb!

  11. Ariela diz:

    Rodoanel!
    Como será que isso se chamaria aqui no Bóvi?

    Como gaúcho é muito cismado com sua virilidade (a que ele deve chamar de virilismo, para ficar no masculino), talvez chamasse esse tipo de obra-de-arte de… entorno rodoviário, oder?

  12. Ariela diz:

    Falando sério, Van: soube que há ambientalistas em chamas por causa do anel rodoviário esse, por causa da serra da Cantareira et all. Bacana no Brasil é que os governos sempre buscam as soluções que contemplam desejos de empreiteiros e outras máfias, mas nunca pensam no meio ambiente ou mesmo em consultar a população, como seria normal em um ambiente democrático. (OK, eu sei que a Suíça não é aqui.)

  13. van diz:

    Sem falar nos arquitetos, ecologistas, etc. que a ficha não caiu pra muitos… o que me deixa puta, além da única questão @ Ariela, “nunca pensam em consultar a população” é esse fisiologismo político. Veja bem:
    Quando eu comecei a frequentar o botequim do RA e vcs. se esbofeteavam pela diferença dos 200 mil ou whatever da casa da vampire, o que eu realmente acho foi que as grandes trampas, os milhões, os zilhões do Detran, e outros “desvios” vão parar na caixa do partido, entende?
    Tenho certeza que a vampire vai sair do governo tão ou mais medíocre financeiramente do que quando entrou.
    O Serra só tá aí posando ao lado dela, porque ela está esperneando tanto, aloprando tanto, vide post da NC com Yeda querendo levar os netinhos a pé pra escola e não conseguindo por causa dos professores feios e malvados. Ela foi pra Brasilia, voltou… A bicha tá cega de raiva.
    Pergunto pra vocês: quem, mas QUEM em sã consciência fica tão puto se tá cheio da bufunfa, tipo Sarneys da vida. Entende?
    Essa gente fica sempre na boa, no matter what. Quem fica puto do jeito que ela tá é porque se fudeu. A caixa da campanha do partido dela deve estar tão abarrotada pra campanha que Zé Pedágio, este sim, tá rindo a toa. A obra de expansão do Tietê é de competência do município, leia-se Kassab, então porque Zé Pedágio foi quem discursou com seu assecla do DEM, Kassab, à tiracolo.
    Tá parei.

  14. Moscão diz:

    Depois cês falam que a mulher não quer nada com trabalho. Tá certo que ela não tem agenda, mas é porque ela é muito atarefada tem que cuidar dos netos, da filha , do ex-marido que é meio louco e tem um monte de ex-amigos e aliados querendo comer o rabo dela. Então deixa a mulher descansar gente, uma semaninha de folga. Ficam provocando que ela inventa de novo de querer comprar um avião.

  15. el barto diz:

    lendo na latrina do palhaço carequinha amigo do mendes e do chico falcatrua fraga, só tenho uma coisa a dizer: TOMA, FDP!!!!

  16. Ariela diz:

    Mal chegou o sábado e a novela recomeça…

    “Feijó critica acordo de substituição tributária
    Zero Hora, 25/07/2009

    O vice-governador, Paulo Afonso Feijó, voltou a criticar ontem o governo em razão do acordo de substituição tributária para 14 novos setores assinado entre a governadora Yeda Crusius e o governador de São Paulo, José Serra (PSDB) na quinta-feira, na capital paulista.

    Segundo a Secretaria da Fazenda, a medida aumentará em mais de R$ 200 milhões a arrecadação de ICMS. Para Feijó, o valor sairá do bolso do trabalhador e representa um aumento de imposto, sendo uma fórmula de arrecadar mais tributos sem passar pela Assembleia Legislativa. O melhor seria enxugar gastos públicos.

    Para o vice-governador, os produtos gaúchos vão ficar mais caros e perder mais competitividade. Entre os setores incluídos na substituição tributária, estão materiais de construção, materiais de limpeza, vinho, alimentos, brinquedos e eletrodomésticos.”

  17. André diz:

    Para esclarecer o instituto da substituição tributária :

    http://ultimosegundo.ig.com.br/economia/2009/07/22/o+desastre+da+substituicao+tributaria++7419941.html

    O desastre da substituição tributária

    22/07 - 07:01 - Luís Nassif, colunista do Último Segundo

    Advogados tributaristas, funcionários mais experientes da Secretaria da Fazenda de São Paulo, estão espantados com as loucuras cometidas pelo Secretário Mauro Ricardo na área do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias). O mínimo que se fala é que “é coisa de maluco”.
    A irracionalidade do sistema implantado, a falta de discernimento, de bom senso, a incapacidade de ouvir os setores envolvidos está colocando em polvorosa a economia paulista. E mostra que o governador José Serra perdeu uma de suas grandes qualidades: o discernimento para não embarcar em loucuras de assessores.

    Pela ST, o fabricante paga na frente o ICMS, depois cobra do comprador. É uma ferramenta poderosa, que deve ser utilizada de forma seletiva, seguindo alguns pré-requisitos:

    Escolher setores onde existe homogeneidade de preços e produtos. É o caso de gasolina e cigarros, com poucos fabricantes e preços definidos no varejo, independentemente do estabelecimento. Isso porque o ICMS incide sobre preços de mercado. Em mercados concorrenciais, não há como tratar preços de forma homogênea. Valia para os tempos em que a Sunab (Superintendência de Abastecimento e Preços) tabelava preços.

    Setores em que haja gargalos bem definidos, com poucos fabricantes. No caso de cigarro, há apenas quatro fabricantes; no caso da gasolina, apenas a Petrobras com refinarias.

    Produtos em que a ST seja adotada por todos os estados. Nos anos 90, São Paulo participou de um sistema de ST em medicamentos. Goiás passou a abrir exceção para seus laboratórios, São Paulo pulou fora, já que seria prejudicado. Agora, São Paulo entrou sozinho na parada, permitindo que todos os demais estados venham ganhar em cima das empresas paulistas.

    ***

    Uma pequena amostra das enormes bobagens dessa ST paulista. A Secretaria da Fazenda precisa ter um preço de referência para aplicar a ST. Encomendou uma pesquisa à FIPE que utilizou a Nomenclatura do Mercosul, que levantou os preços médios de cada produto.

    Vamos a exemplos concretos:

    Não leva em conta diferentes qualidades de produto. Torneira entra na nomenclatura como um produto único. Em apenas uma página na Internet é possível encontrar torneiras de R$ 1.199,00 a R$ 68,80. Há torneiras de luxo que custam R$ 2.959,00 (Misturador monocomando para lavatório bica alta, linha Arco-Íris, cromado, da Rubinettos) e torneiras de R$ 10,00. Suponha que a média tenha dado R$ 50,00. 18,5% de R$ 50,00 é R$ 9,25. É o que se terá que pagar por cada torneira, independentemente do preço. No caso da torneira de R$ 2.959,00 esses R$ 9,25% representarão 0,31%. No caso da torneira de R$ 10,00, representará uma alíquota de 92,5%.

    Não leva em conta diferenças de preços entre regiões. Um fogão Fogão 6 bocas Alecrim CF476A - Consul, por exemplo, pode sair por R$ 569,00 nas Lojas Colombo e por R$ 829,00 nas Lojas Americanas de um shopping nobre da cidade.

    Não leva em conta as liquidações. Em dezembro um produto é vendido pelo preço cheio, pagando 18% de ICMS. Em janeiro, se a loja fizer uma liquidação e vendê-lo com 50% de desconto, o ICMS corresponderá a 36% do preço de venda.

    Pior. Até o ano passado, a empresa poderia se habilitar ao ICMS recolhido a mais. Decreto do governador José Serra, de dezembro, inviabilizou essa possibilidade.

    Fundo de quintal

    Não se fica nisso. A ideia da ST é cobrar de contribuintes confiáveis. Ao jogar todo o pagamento no fabricante, independentemente do setor, tem-se o caso do alambique do interior passar a se responsabilizar pelo pagamento de ICMS da rede Carrefour, por exemplo. Ou então, o pequeno comerciante adquirir produtos de outros estados, por atacadistas que estarão dispostos.

    O fim do Simples

    A ST praticamente acabou com o Simples, o sistema que permitia a meio milhão de pequenas empresas pagar menos tributação. Como tudo irá para a ST, não haverá como diferenciar a pequena farmácia de bairro das grandes redes de drogaria, por exemplo. Com isso, mata-se o grande avanço representado pela nova Lei Geral das Pequenas e Micro Empresas, primeira tentativa de formalizar o pequeno empresário.

    Compras de outro estado - 1

    Outro paradoxo dessa lei é que o comerciante que for comprar fora do Estado terá que recolher o imposto na entrada do território paulista. Outra maluquice de Mauro Ricardo. Primeiro, porque São Paulo não tem vigilância na divisa. Depois, se implantou o ST porque não confia no varejista. E deixa-se na mão dele recolher o imposto de compras de fora do estado. Além disso, a sistemática implantará o caos.

    Compras de outro estado - 2

    Para cumprir a medida à risca, os varejistas teriam que acampar, por exemplo, em Extrema (divisa com Minas Gerais), esperar o banco abrir, pagar o ICMS na hora para o caminhão entrar em São Paulo. Ou então, os atacadistas de outros estados teoricamente recolheriam antecipadamente o ICMS e, além de cobrar a fatura dos clientes, teria que cobrar a guia de recolhimento. Tudo para cumprir a determinação.

    Vendas para outros estados

    Imagine o atacadista que compra determinada quantidade de produtos. Todos virão com ST. Metade ele vende para São Paulo, a outra metade para outros estados. Como o imposto foi pago na frente, terá que entrar com procedimentos para ter de volta o imposto recolhido a mais. Para cada estado terá que abrir um processo de restituição, enquanto concorrentes de outras regiões estarão nadando de braçada.

    O Talão da Fortuna

    Outra tolice cometida pelo Secretário da Fazenda de São Paulo foi a devolução em cima da Nota Fiscal Eletrônica. Calcula-se que São Paulo tenha devolvido R$ 1 bi aos contribuintes. Repetiu o Talão da Fortuna dos tempos de Ademar de Barros. Uma análise das notas fiscais indicará que grande maioria das compras – cerca de 70% - foram feitas em estabelecimentos que não sonegam, como grandes redes de supermercados.

  18. André diz:

    Sobre obra$ rodoviárias, pontes estaiadas e parcerias público-pornô-privadas de Sampa : http://blogln.ning.com/forum/topics/uma-ponte-para-a-especulacao

  19. Carmencita von Ink-om-Taxis diz:

    Ai, gente! Também não precisa exagerar! Comentários tão grandes demandam muito tempo de leitura. Tenho muitos blogs a visitar.

  20. Amaury Dumbo diz:

    Carrrrmeeeeeencitaaaaaaaaa eeeeeeeeei! Ta servida de pro seco?

  21. Carmencita Inalámbrica de Los Andes diz:

    Para o seco? O que é isso? Tempo seco? O Atacama é realmente um dos lugares mais secos do mundo. Daí eu precisar me servir de decalitros de creme hidratante.

    Quanto a bebibas alcoólicas, como um prosecco básico, eu passo. Já disse que não bebo. Nem drinko.

  22. Ivana diz:

    Prezado Rodrigo Alvarez,

    Tenho interesse em lhe escrever, pode por gentileza me informar seu e-mail?

    Ivana
    Maringá-Pr.

  23. Desentupidora Esgolimp diz:

    Sai uma pizza de calabresa sem cebola, por favor, poe na conta do Serra!

  24. Desentupidora São Paulo diz:

    essa foi boa, mas prefiro a de 4 queijos

  25. Desentupidora Desentupir24hs diz:

    O ralo entupiu! Sabe como se resolve? Ligue 11 5522-9000. A Desentupir 24h é a conceituada desentupidora de ralo do mercado.

    Ralo entupido é um problema preocupante. Ele faz parte do sistema de esgoto, e como tal, representa enormes riscos de contaminação por abrigar uma infinidade de bactérias. Antes de se arriscar tentando desentupir, chame os especialistas da mais conceituada desentupidora de ralo do Brasil. É só ligar para 11 5522-9000, dia e noite, inclusive nos sábados, domingos e feriados.

    Nos ralos do banheiro, cabelos, resíduos de sabonete, gordura do corpo, grampos e outros objetos são os principais vilões causadores de entupimentos. E a desentupidora de ralo Desentupir 24h tem as ferramentas necessárias para executar este e outros tipos de desentupimento, seja no banheiro ou na cozinha, onde camadas de gordura provenientes dos alimentos se solidificam e entopem o interior dos encanamentos.

Comente