Tag ‘Cézar Busatto’

Uma outra história

13:44 | 21/07/08 | Leandro Demori

Vice argentino ganha popularidade após vetar Cristina Kirchner

BUENOS AIRES - O vice-presidente argentino, Julio Cobos, passou de um dirigente político com escassa repercussão na opinião pública para um dos mais populares membros do governo após o seu voto contra a proposta de aumento de impostos agrícolas da presidente Cristina Kirchner, segundo pesquisas divulgadas neste domingo, 20.

Uma sondagem da Universidade Aberta Interamericana publicana pelo diário Perfil diz que 52,7% da população tem uma imagem positiva de Cobos; 20,6% tem uma imagem regular e 11,6% negativa. Segundo a instituição, a imagem positiva anterior do vice era de 37,5%.

Outra pesquisa, publicada pelo diário Clarín e preparada pela consultora Managment & Fit, revela que 50% dos 2,400 consultados avalia o vice como “bom ou muito bom”. Sua imagem negativa é de 28%. O mesmo jornal apresenta uma pesquisa da consultora Aresco, afirmando que sete entre dez argentinos respaldam a decisão de Cobos e que entre os 2,500 consultados, 75% tem uma imagem positiva dele.

Na quinta, o Senado rechaçou um projeto de lei que buscava ratificar um polêmico sistema de aumentava os impostos de exportação sobre grãos apresentado pelo governo e que enfureceu o setor agropecuário, o qual liderou quatro grandes greves que paralisaram o país. A votação estava empatada e o vice-presidente, que também é presidente do Senado, decidiu derrubar a medida. Membros da aliança que governa o país chegaram a acusá-lo de traição e pediram sua renúncia.

Essa não, querem prender o Boto

21:45 | 09/07/08 | Rodrigo Alvares

Confesso que fiquei espantado ao ver no Jornal Nacional o senador Pedro Simon discursar contra a truculência da PF na prisão de Daniel Dantas e quadrilha.

O espanto foi pela presteza com a qual o baluarte da Ética se pôs ao classificarar, junto com outros senadores, como exorbitante, constrangedor e humilhante o procedimento.

Queria que Simon tivesse sido tão rápido para falar alguma coisa quando Cézar Busatto, um ex-apaniguado seu, foi falar na CPI do Detran mesmo quando deveria estar algemado há muito mais tempo.

Só espero que o senador não tenha feito isso por causa do rabo que outra cria sua, o ex-governador Antônio Britto, tem com o Daniel Dantas e o Grupo Opportunity.

Povo Bovino = golpista & antiético

22:04 | 14/06/08 | Leandro Demori

A atitude do vice-governador Paulo Afonso Feijó de gravar e divulgar uma conversa que teve com o ex-chefe da Casa Civil Cézar Busatto recebeu apoio da maioria dos gaúchos de acordo com pesquisa realizada pelo instituto Fato — Pesquisa Social e Mercadológica. Conforme o levantamento, encomendado pelo Grupo RBS, 61,8% aprovam a decisão de Feijó, contra 23,9% que desaprovam.” (Zero Hora)

Veja a pesquisa completa aqui.

Análise da pesquisa amanhã — que hoje é sábado e eu vou entortar alguma esquina por aí.

Bu$atto na CPI do Detran - live blogging

13:54 | 09/06/08 | A Nova Corja

E lá vamos nós para o live do depoimento de Cézar Bu$atto.

13:43 - Já está passando a Sessão da CPI. Por enquanto, o presidente, Fabiano Pereira (Pê Tê), lê amenidades. Na TV aberta públicagratuitaedequalidade está passando no canal 55 (sei lá que canal é esse). Na rádio Gaúcha, discute-se assuntos relevantes: futebol.

13:45 - O vice-governador, Paulo Feijó (DEMO) dará uma coletiva hoje às 17hs. Informantes desta Corja comentam que haverá falência instantânea do Banrisul logo a após a coletiva. Esta Corja deslocará seus correspondentes para o local.

13:47 - Sessão suspensa por 1 minutos para, logo depois, iniciar o depoimento.

13:51 - Enquanto não começa… “Horas antes da CPI, Busatto diz ter cometido “imprecisões de linguagem” em gravação”.

13:52 - Recomeça a sessão. Bu$atto entra na sala. Aplausos começam. Bu$atto manda beijos para o público (sim, isso aconteceu, acreditem). Depois é vaiado.

13:53 - Qualificação da testemunha. Bu$atto está dispensado do juramento (mentirá muito) porque fala na condição de “informante”.

13:55 - Deputado Adilson Troca (P$DB), inicia o questionamento. Começa, obviamente falando que tem Bu$atto no mais alto conceito, uma pessoa ética, seu amigo.

13:57 - Adilson Troca passa a palavra para Bu$atto falar o que bem entende. Bu$atto dá boa tarde e vai direto para um gole d’água.

(more…)

Grava nóis, Feijó

8:30 | 09/06/08 | Leandro Demori

É penitência de muitos jornalista$ julgar a gravação do vice-governador “traiçoeira”? Falam como se nós mesmos, nobre$ coleguinha$, não fizéssemos rigorosamente o mesmo. Tecnicamente, até uma conversa telefônica gravada sem autorização é imoral. Grava nóis, Feijó. O que dizemos é tipo free pass na Disney, vale em todos os brinquedinhos.

Mas isso somos nós, moralmente umas três ditaduras Varga$ e meia distantes do Bu$atto na experi. No caso dele é pior. O diálogo não foi gavado em um buteco sujo e malvado, mas no Paláciu du Pude, local de tomada de decisões para toda a bovinagem.

Em conver$a secreta (“conchavo”) na noite de sexta (com exclusivo e milionário patrocínio) parte desta Corja reunida sentenciou (“decisão irrevogável”) que deveriam gravar ABSOLUTAMENTE TODOS os encontros políticos oficiais do Universo (A/C Presidente - plataforma). Sem essa de fotinhos para a agenda política e ciao. Se alguém que está lá me representa (mesmo que de forma muito distante e que jamais entenderei), quero saber de TODO O SUPINO (ns).

AGENDA DO DIA - segunda

7:00 | 09/06/08 | Leandro Demori

Bu$atto na CPI do Detran, a partir das 13h.

Live blogging certo.

Feijão Presidente do Universo

22:28 | 08/06/08 | Leandro Demori

feijo_presidente

Atirar merda no ventilador é uma arte. E arte não é igual a funk, que qualquer um faz. Arte, na política, é o difícil equilíbrio entre o banditismo e… bem, o banditismo. Antes de tudo, para atirar merda no ventilador você tem que saber exatamente onde seu rabo está preso. Depois, é preciso armar tudo de maneira que não reste dúvida sobre o que se pretende passar.

Esses são os requisitos básicos para uma boa merda no ventilador. Requisitos que Paulo Feijó cumpriu com maestria. Quando tornou públicas as gravações de Bu$atto (te$ão), Paulo Feijó tornou-se personagem quixotesco a apontar a lança para um moinho de vento. Bu$atto é personagem da política bovina há décadas, e sua confissão gravada é como se fosse de DiLLma para LuLLa.

Lair Ferst seria o Roberto Jefferson ideal, mas se limitou a enviar uma carta para a (des)governadora. E na hora H, se calou. Feijó, então, assumiu o papel de dedo-duro, cagüeta, X9. Feijó é um Zé Alencar que não se calou. Entrou para a política de maneira despretensiosa, como candidato a vice na chapa de um partido inexistente no Bovinão. Ninguém jamais imaginaria que Yoda ganharia eleição alguma. Feijó só queria aproveitar a campanha para falar, fazer sua defesa do estado mínimo e, sobretudo, da redução dos impostos.

Que fique claro a seus asseclas e inimigos íntimos: Feijó não tinha projeto de poder. Não é político profissional e jamais lhe passou pela cabeça viver de política. O vice-governador é um empresário, que entrou nos corredores da política para defender interesses claros e específicos. A isso costumam dar o nome de democracia. A ele, costumam dar o nome de capitalista. É o que temos para o momento.

Ex-dono de um empresa bem sucedida, a Mercador, Feijó foi sócio da Telefônica antes de vender quase tudo para Miguel Abuhab, um dos maiores empresários da área de softwares do Brasil. Imagine $$. Agora imagine mais $$$$. Política? Ná. Dinheiro.

Em 2006, quando viu o Piratini se agigantar diante de seus olhos, sua única missão declarada foi pagar menos impostos. Sua bandeira era o capitalismo feio, bobo e mau, e foi exatamente por isso que entrou em atrito com a (des)governada nos primeiros segundos de jogo. Golpista? Também Não. Feijó é um magoado que, como ele próprio disse, “só queria ser ouvido”.

Há criticas a fazer (e muitas). Acreditar que qualquer um envolvido com a política possa ser canonizado é ingenuidade sem limites. Mas o que mais dói aos adversários de Feijó é o fato de que não haverá nenhum dossiê contra ele. Ou “banco de dados”, que é como se chama dossiê neste país. Quando entregou as gravações, Paulo Feijó sabia que teria sua vida varrida da A a Z. Se o fez, sabe onde está pisando. Qualquer dossiê será uma farsa.

Por outro lado, o papel de Busatto nessa história toda vai muito além do que as gravações revelam. Sua atuação no Pacto pelo Rio Grande, por exemplo, foi fundamental. O documento previa que indústrias de energia fossem instaladas no estado. Parte grossa desse dinheiro iria para bolsos particulares, parte deles, os mesmos do Detran, que financiam partidos, que trabalham para que esses mesmos bolsos jamais fiquem vazios. É um círculo vicioso. Um swing. Um troca-troca. Mas com o SEU redondo.

Por tirar de circulação (ao menos temporariamente) gente da pior laia, essa operação Rodan é histórica. Ruiu não somente uma quadrilha feita do acaso, mas um bando de pilantras que se aproveitaram de (mais) uma falha no sistema. A famiglia Fernandes é sem sombra de dúvida um dos mais bem armados cartéis de lobby, extorsão e corrupção de toda a história ruminóide.

Melhor. Tudo. Sempre.

ABRA$$$$$O! (duplo e desgovernado)

17:08 | 07/06/08 | Walter Valdevino

abrassomartinibusatto.jpg

FUNK DO BU$ATTO (te$ão)

16:17 | 07/06/08 | Leandro Demori

Munida de esforços HERCÚLEOS, esta Corja criou, com ajuda inestimável de Nacional Supermercados, mais uma obra-prima da tenéti brazileira. Senhoras e senhores, para deleite de nossos 8 leitores e meio, apresentamos o “FUNK DO BU$ATTO (te$ão)“.

Se quiser baixar, te atira pra cá

By ™ Cézar Bu$atto. Poema final: Alex Barranqueadas. SWING: ™ MC Demori

UPDATE: Desgovernada Yoda acabou de dar entrevista coletiva, transmitida ao vivo pela TVCOM. Bu$atto e Delson Martini FORAM PRO ABRA$$O. Breve cobertura no nosso Twitter.