Tag ‘CPI’

Tem hora para tudo

8:49 | 06/08/09 | Rodrigo Alvares

O timing para o último post do A Nova Corja não poderia ser melhor. Se alguém ainda duvidava do que alertamos aqui desde 2006, é melhor levar em consideração o que os procuradores do Ministério Público Federal aturaram em uma ação de 1,2 mil páginas, feita com base em cerca de 20 mil ligações telefônicas.

A farsa do desgoverno Yeda Crusius está escancarada. Espero que no meio dessa investigação esteja o documento que fez o governo do Estado entrar com uma medida cautelar covarde contra este blog. Yeda e seus amigos apenas vão colher o que plantaram nos últimos anos.

Ah, sim: não sobrou apenas para a desgovernada. O MPF também indiciou Carlos Crusius, os deputados José Otávio Germano, Luiz Fernando Záchia, Frederico Antunes, o ex-secretário Delson Martini, a assessora Walna Vilarins Meneses, o diretor do Banrisul Rubens Bordini e do presidente do Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul, João Luiz Vargas. Todos muito assíduos por aqui nos últimos tempos.

Apesar das várias aporrinhações pelas quais passamos, os melhores momentos destes cinco anos vão perseverar.

Agora, enquanto a desgovernadora está awol, é preciso manter a consciência e saber que ela é apenas a ponta dos problemas. Não sei como vai manter sua mansão com as contas bloqueadas, mas isso não é mais problema meu. Por conta de compromissos profissionais, não posso mais manter atualizações como gostaria, e prefiro fechar o blog a fazer um trabalho meia boca.

Espero que o A Nova Corja permaneça como registro da demência que assola não só o governo Yeda, mas a política gaúcha e brasileira. As eleições do ano que vem serão as mais importantes desde 1989, e boa parte da bandalha praticada por eles ultimamente está nos arquivos do blog.

ABRA$$O

E a agenda de amanhã?

22:49 | 05/08/09 | Rodrigo Alvares

Governo emite nota oficial sobre anúncio
de procuradores do Ministério Público (Palácio Piratini)

Em nota oficial emitida nesta quarta-feira (5) à noite, o governo do Estado afirma que o anúncio feito por procuradores do Ministério Público, em entrevista coletiva, do ajuizamento de ação de improbidade administrativa contra vários agentes públicos, deixou estarrecidos todos quantos defendam o estado democrático de direito, que é fundamentado em liberdades, direitos e deveres pelos quais as instituições republicanas devem zelar.

O texto prossegue chamando atenção para o fato de que as pessoas citadas publicamente pelo Ministério Público sequer conhecem a ação a que terão de se defender. No referido anúncio - conforme diz a nota -, são chamados precipitadamente de réus a governadora do Estado, assim como outros cidadãos brasileiros, sem que qualquer ação penal tenha sido ajuizada.

E mais: no entendimento do Supremo Tribunal Federal nem caberia ajuizamento da ação de improbidade administrativa à governadora, agente político que é. Certamente, os membros do Ministério Público Federal não desconhecem esse entendimento e, portanto, excederam-se ao ajuizar uma ação visivelmente inadequada“.

No entendimento do governo do Estado, é inacreditável que cidadãos agentes públicos possam ser atacados por outros agentes públicos sem serem notificados dos fatos que lhe são imputados.

Em nome de todo o governo, Yeda Crusius reafirma que apoia toda e qualquer investigação que siga o rito processual do direito brasileiro. Reitera também sua plena confiança na Justiça e que acompanha com serenidade os acontecimentos. E afirma ainda que aguarda o momento para mostrar a inteira correção dos atos praticados, lamentando o episódio patrocinado por membros do Ministério Público. ‘A recuperação administrativa e financeira do Rio Grande do Sul é a prova da seriedade, honestidade e probidade com que o Estado é gerido’, destaca.”

Cada vez mais embaçada essa história

12:35 | 30/07/09 | Rodrigo Alvares

“Eu tenho muita vontade de chegar na governadora, olhar nos olhos dela e falar, o Marcelo não está aqui com a gente pelo simples fato de não ter aceito mudar de lado. Isto é uma coisa que me conforta e conforta a minha família. A maior virtude de um homem é o seu caráter, é sua honestidade, é o cara ser íntegro. Infelizmente, o Marcelo foi covardemente apunhalado. São coisas da política suja, da política baixa

“Eu queria desejar força para a governadora e falar que o Marcelo confidenciava para vários amigos dele que ele iria se candidatar a deputado federal pelo PSDB nas próximas eleições e também falar que todos os seus amigos, todos os seus parentes sabem que o Marcelo não se suicidou. Brasília inteira sabe que Marcelo não se suicidou

Marcos Cavalcante no programa Bom Dia (Rádio Guaíba), apresentado por Rogério Mendelski - 29/07

Mais tarde, no Jornal da Record:

Voltaire Porto – O Vice-governador em algum momento foi comentado pelo Marcelo Cavalcante, você tem alguma informação do Paulo Feijó?

Marcos Cavalcante – Paulo Feijó é um cara que surgiu desde o começo do governo com a governadora Yeda e isso também faz com que a gente possa pensar que ele está envolvido também. O Lair e a Magda a gente viu umas contradições das coisas que aconteceram da visita que ele fez no dia. A gente não sabe se ele esteve aqui no dia ou se esteve antes e ele voltou na quarta feira no dia que o Marcelo foi enterrado. E ai a gente tem que investigar isso ai.

Certo que não vai dar em nada

11:16 | 29/07/09 | Rodrigo Alvares

Depoimento de Buchmann deve abrir
nova investigação (Correio do Povo)

Foto: Cristiano Estrela/CP
02cpers9.jpg
Demorô

A Polícia Federal (PF) prepara estratégia para deflagrar o que pode ser denominada a Operação Rodin II. Hoje, o superintendente da Polícia Federal Ildo Gasparetto se reúne, em Santa Maria, com o delegado Gustavo Schneider, que conduziu a investigação da fraude do Detran. Denunciada em 2007, a fraude teria desviado R$ 44 milhões da autarquia, gerando uma CPI na Assembleia e que originou a Operação Rodin na PF.

Foi Schneider também quem tomou o depoimento de quase cinco horas do ex-diretor do Detran Sérgio Buchmann dois dias antes de ele ser demitido pela governadora Yeda Crusius. Buchmann teria feito declarações explosivas sobre a relação de empresas, em especial com a Atento Service, que prestava serviço de guincho para o Detran.

A empresa cobra uma suposta dívida de R$ 16 milhões, reconhecida pelo governo, que teria autorizado o pagamento à época da ex-presidente do Detran Estella Maris Simon, exonerada por se negar a pagá-la.

Gasparetto decidiu ir a Santa Maria após ler o conteúdo do depoimento de Buchmann, degravado de fitas de áudio e vídeo. No município, pretende decidir o destino das revelações do ex-presidente do Detran, também exonerado por supostamente não reconhecer a dívida com a Atento. Gasparetto poderá anexar o conteúdo do depoimento a inquéritos já existentes ou abrir nova operação investigatória.”

Petrobrás besunta Mausoléu de Sarney

8:56 | 09/07/09 | Rodrigo Alvares

Fundação de Sarney dá verba
da Petrobrás a empresas fantasmas (Estadão)

Foto: ABr
dedao.jpg
“Não vem querer sentar na janelinha, Suplicy. Eu que vou cantar para o Sarney”

Fundação José Sarney - entidade privada instituída pelo presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), para manter um museu com o acervo do período em que foi presidente da República - desviou para empresas fantasmas e outras da família do próprio senador dinheiro da Petrobrás repassado em forma de patrocínio para um projeto cultural que nunca saiu do papel.

Do total de R$ 1,3 milhão repassado pela estatal, pelo menos R$ 500 mil foram parar em contas de empresas prestadoras de serviço com endereços fictícios em São Luís (MA) e até em uma conta paralela que nada tem a ver com o projeto. Uma parcela do dinheiro, R$ 30 mil, foi para a TV Mirante e duas emissoras de rádio, a Mirante AM e a Mirante FM, de propriedade da família Sarney, a título de veiculação de comerciais sobre o projeto fictício.

A verba foi transferida em 2005, após ato solene com a participação de Sarney e do presidente da Petrobrás, José Sérgio Gabrielli. A Petrobrás repassou o dinheiro à Fundação Sarney pela Lei Rouanet, que garante incentivos fiscais às empresas que aceitam investir em projetos culturais. Mas esse caso foi uma exceção. Apenas 20% dos projetos aprovados conseguem captar recursos.

O projeto de Sarney foi aprovado pelo Ministério da Cultura em 2005 e está em fase de prestação de contas na pasta. Antes da aprovação, o próprio Sarney chegou a enviar um bilhete ao então secretário executivo e hoje ministro da pasta, Juca Ferreira, pedindo para apressar a tramitação.

Em 14 de dezembro, o ministério comunicou que o projeto estava aprovado e, no dia seguinte, a Petrobrás anunciou a liberação do dinheiro. Procurada pelo Estado, a Petrobrás informou que a fundação foi incluída no programa de patrocínio como ‘convidada’ e por isso não teve de passar pelo processo de seleção.

O objetivo do patrocínio, que a fundação recebeu sem participar de concorrência pública, que a estatal faz para selecionar projetos, era digitalizar os documentos do museu. ‘Processamento técnico e automação do acervo bibliográfico’, como diz um relatório de contas.” (…)

A Folha de S.Paulo de hoje publicou reportagem quase igual. Não entendi por que o Blog da Petrobrás não publicou as perguntas dos jornalistas desta vez. Devem ter cometido a audácia de telefonar para a assessoria da estatal, ao invés de enviar e-mails.

No Bovinão tu sabes depois

14:18 | 08/07/09 | Rodrigo Alvares

Até em São Paulo sabiam desde ontem que o advogado de Lair Ferst, Lúcio de Constantino, concederia uma coletiva hoje pela manhã, mas ninguém transmitiu ao vivo. Agora, resta aos interessados ouvirem um “resumo” da coletiva na Rádio Gaúcha, pedido pelo apresentador Lasier Martins:

Advogado confirma existência de gravações
que comprometeriam governo Yeda (Zero Hora)

O advogado de Lair Ferst, Lúcio de Constantino, confirmou esta manhã a existência de gravações que comprometeriam o governo Yeda Crusius. Constantino convocou a imprensa para ler a declaração do cliente. Até então, eles não admitiam existência de supostas provas de corrupção. O advogado não confirma acordo de delação premiada. Sem dar detalhes, Lúcio de Constantino garante que os áudios vão ajudar na defesa do empresário.

‘São provas fartas. E digo mais, no interior do Rio Grande do Sul se diz chumbo grosso.’

O advogado disse que as gravações serão divulgadas às autoridades competentes em momento oportuno. Afirmou ainda que Lair Ferst aumentou a segurança particular dele e da família.”

“A governadora não está perturbada”

7:17 | 07/07/09 | Rodrigo Alvares

Tá, arrã. Quero ver o que os repórteres de Brasília vão escrever sobre isso hoje, enquanto Yeda Crusius (PSDB/RS) participa do aniversário de 15 anos do Plano Real.

yeda.gif

No meio tempo, a íntegra das acusações de Lair Ferst na denúncia ao MPF e alguns trechos para os deputados assinarem aqueles dois votos que faltam para a CPI:

FATO 01 – Esclarecimentos de que foi a Govenadora que chamou LAIR ANTONIO FERST para atuar como um dos coordenadores da campanha eleitoral, ligado diretamente a ela e ao Coordenador Geral da Campanha Marcelo Cavalcante. No início da campanha eleitoral, à época, a Candidata Yeda Crusius me chamou através de Marcelo Cavalcante para uma conversa na sede do Diretório Estadual do PSDB, foi quando ela me convidou, e fez um apelo, para que eu integrasse a cúpula da campanha.

Nesta reunião, com a presença de Marcelo que me foi apresentado, por ela, como seu Coordenador Geral de Campanha, foi acertado então, que eu e o Marcelo ficaríamos vinculados diretamente a ela, com todo o seu respaldo para atuar em seu nome no sentido de dar dinamismo e objetividade a campanha que naquele momento estava totalmente parada.

Yeda argumentou neste ato que não podia abrir mão da minha participação em vista de ser um dos melhores quadros do PSDB, com experiência em campanhas políticas. Depois desta combinação passamos a organizar e planejar o desenvolvimento da campanha que também nesta fase estava atravessando a pior crise financeira. (existe Áudio com Marcelo)”. (…)

FATO 05 – Esclarecimentos sobre arrecadação de R$ 40.000,00 (quarenta mil reais) da Empresa PERKONS EQUIPAMENTOS ELETRONICOS LTDA, que tem contrato dos Pardais com o DAER.” (…)

FATO 10 – Esclarecimentos da arrecadação de R$ 400.000,00 (quatrocentos mil reais) após a eleição, uma semana antes da compra da casa da Governadora, sem recibo, sendo R$ 200.000,00 (duzentos mil reais) da ALLIANCE ONE INTERNATIONAL, representado pelo seu Diretor, HENRIQUE CAMPESTRINI, e R$ 200.000,00 (duzentos mil reais) da Empresa CTA-CONTINENTAL TABACOS ALLIANCE S.A., representada pelo seu Diretor Presidente, ALLAN K. N. BICHINHO, ambas empresas do ramo Fumageiro de Santa Cruz do Sul e Venâncio Aires.

Esta contribuição foi intermediada por Lair Antonio Ferst e Marcelo Cavalcante, o referido valor foi oferecido pelo DEP. JOSE OTAVIO GERMANO, a Governadora YEDA CRUSIUS. Uma reunião foi realizada no escritório do Deputado por exigência dele que queria ficar com crédito político junto a Governadora para indicar o Presidente do DETRAN.

Participaram desta reunião AOD CUNHA DE MORAES JR, RUBENS BORDINI, atual Vice-Presidente do BANRISUL, LAIR FERST, o DEP. JOSÉ OTAVIO GERMANO e os representantes da empresa, este fato ocorreu no período de transição, entre a eleição e a posse, provavelmente no mês de novembro do ano de 2006.” (…)

FATO 14 - Esclarecimentos de que no final do mês de Maio RUBENS BORDINI em nome da Governadora, recebeu R$ 170.000,00 (cento e setenta mil reais), em espécie, como propina, provavelmente no Gabinete do Presidente do Tribunal de Contas do Estado, JOÃO LUIZ VARGAS, o valor foi entregue por representantes da FUNDAE e PENSANT. No dia seguinte Lair Ferst, sabedor do fato por FLAVIO VAZ NETTO, foi ao Banrisul e alertou RUBENS BORDINI que ele acabaria derrubando o Governo, pois ele era Vice-Presidente de um Banco estatal e estava envolvido em atos ilícitos.”

Faltam as provas

17:55 | 06/07/09 | Rodrigo Alvares

Leia abaixo a petição que o PSOL vai entregar na próxima quarta-feira à juíza Simone Barbisan para pedir o bloqueio de bens da governadora, do ex-marido dela, Carlos Crusius e do ex-secretário-geral de Yeda, Delson Martini:

petio1.jpg
petio21.jpg

Os tucanos bovinos podem se identificar

17:07 | 06/07/09 | Rodrigo Alvares

Acabou de sair no site do PSDB Bovino:

Nota Oficial

A Executiva estadual do PSDB, em respeito a seu compromisso com o Estado Democrático de Direito, vem manifestar com relação ao que o jornal Zero Hora publicou nesta segunda-feira, 06/07, o que segue:

1 – São denúncias já conhecidas, desacompanhadas de qualquer prova, divulgadas com o intuito de difamar o nome e a integridade da governadora Yeda Crusius e integrantes deste partido;

2 – Entende como prática ilegítima e atentatória à Democracia o sistemático vazamento de informações que estariam protegidas por segredo de justiça, afronatndo e enfraquecendo as instituições do Estado de Direito;

3 – Contesta a condenação antecipada de pessoas idôneas, às quais é imposta a obrigação de arcar com o ônus da prova contra imputações que, por sua vez, são destituídas das mesmas.”

Como a nota não é assinada, tem apenas o selo da executiva gaúcha do PSDB - alô, Sérgio Guerra? -, seguem abaixo os nomes e links de contato com cada um dos integrantes. Bate um fio para eles, menos para um, por favor.

Executiva estadual

Nome

Zilá Maria Breitenbach
Bercilio Osvaldo Luiz da Silva
Ruy Pauletti
Tomaz Gilian Deluca Wonghon
Gilberto Teixeira da Cunha
José Carlos Breda
Vulmar Silveira Leite
Júlio César Redecker (Sim, atualizar URG)
Adilson Troca
Paulo Cesar dos Santos Brum
Marcos Antônio Ronchetti
Dalti Proszek
Lindemar Franzon
Valcir José Pacheco Ritta
Hugo Jorge Appel Prevedello
Ademir José Schneider

Esclarecimentos requentados

15:06 | 06/07/09 | Rodrigo Alvares

A desgovernadora reclama dos “fatos requentados” publicados pela Zero Hora - e pela A Nova Corja desde o ano passado -, mas bem que poderia ser mais original na hora de tentar remendar os estragos. Ao menos, entendi porque a agenda de Yeda Crusius (PSDB) hoje serve apenas para reuniões internas.

Nota de Esclarecimento

Em face das informações publicadas no jornal Zero Hora, de 06 de julho corrente, o Governo do Estado, em respeito à democracia e à população do Rio Grande do Sul esclarece que:

1º. Não há nada de novo na divulgação do referido jornal.

2º. Todas as supostas denúncias são fatos já mencionados no passado, sem qualquer comprovação, com o claro objetivo de criar dúvida e estabelecer desconfiança na relação do Governo com a Sociedade;

3º. A eleição terminou. Todas as contas da campanha eleitoral foram julgadas, auditadas pelos órgãos competentes e aprovadas, o que permitiu a diplomação da Governadora. As mesmas estão à disposição no Portal do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul.

4º. Em relação à compra da casa, o fato já foi investigado pelo Ministério Público Estadual, que determinou o arquivamento da investigação dado a legalidade comprovada pela análise da farta documentação disponibilizada pela Governadora.

5º. O Governo continua empenhado em manter a governabilidade do Estado e garantir o cumprimento de suas responsabilidades na gestão dos serviços públicos.

6ª. Celebrando o pleno Estado de Direito vigente no País, o Governo do Estado aguarda com serenidade o desenvolvimento das investigações, confiando que a Justiça seja feita e respeitando todos os princípios democráticos reafirma sua obrigação de responsabilizar os que na ânsia de atacar e agredir, afrontam a verdade e violentam a imagem de pessoas e instituições.”

Acabou a cantoria para a Yeda

13:42 | 06/07/09 | Rodrigo Alvares

Até que enfim. Só isso para tentar tirar da minha cabeça aquele vídeo de ontem. Segundo a Zero Hora, o chefe da Procuradoria Regional da República, Antônio Carlos Welter, disse que só hoje poderá confirmar se os ofícios a que o jornal teve acesso saíram da Procuradoria. Seja como for, o documento existe. Imagino como não devem estar os outros indiciados.

Lair Ferst faz denúncias contra o governo (Zero Hora)

Pivô do escândalo do Detran entregou ao MPF acusações
envolvendo campanha de Yeda e início da administração

Desde fevereiro, quando a deputada Luciana Genro deu entrevista ao lado do vereador Pedro Ruas, ambos do PSOL, revelando denúncias que teriam sido feitas por Lair Ferst contra a governadora Yeda Crusius, os gaúchos convivem com a dúvida sobre se o pivô do escândalo do Detran estaria colaborando com as investigações. A confirmação veio ontem por meio de documentos a que Zero Hora teve acesso.

No ofício OF/SECRIM/PRRS/Nº 2669, datado de 16 de abril, o procurador Alexandre Schneider encaminha ao então procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, um texto escrito por Lair detalhando 20 supostas irregularidades que teriam sido cometidas na campanha de 2006 e no início do governo de Yeda.

ZH teve acesso a 12 páginas das 13 páginas escritas em computador por Lair, rubricadas e numeradas pelo protocolo da Procuradoria-Geral da República.

Lair conta desde sua aproximação da campanha até suposta oferta de propina à governadora feita pelo grupo responsável pela fraude no Detran.

No relato, afirma que a casa de Yeda foi comprada por R$ 1 milhão, e não por R$ 750 mil, como está no contrato, e que a diferença foi paga com caixa 2.

São levantadas suspeitas sobre mais de 30 pessoas ou empresas. Lair descreve um cenário de farto caixa 2. Um dos 20 fatos afirma que a SP Alimentação, fornecedora de merenda escolar para a prefeitura de Canoas, doou R$ 500 mil que foram utilizados no início da organização da campanha.

Os valores teriam chegado ao comitê por meio de Chico Fraga, então secretário de Governo de Canoas. A SP é suspeita de envolvimento na fraude no município.

O dinheiro não contabilizado normalmente era recebido por Marcelo Cavalcante, ex-assessor morto em fevereiro, e por Walna Meneses, assessora de Yeda e, segundo o depoimento, “controladora do caixa 2”. Lair faz ataques ao ex-marido de Yeda.

Conta que Crusius era avisado da chegada de doações. Muitas vezes, à noite, diz o relato, Crusius buscava dinheiro no comitê e levava para o apartamento da candidata. Os recursos nunca mais retornavam.”

Tranca em uma cela acolchoada e sai correndo - 2

15:50 | 02/07/09 | Rodrigo Alvares

Yeda defende Walna (Página 10/ZH)

Foto: Iara Lemos
6614374.jpg
“Me chamem de Alice e nomearei Humpty Dumpty para a Tran$parência”

Mal havia concluído a apresentação do balanço dos 30 meses de sua gestão à bancada gaúcha no Congresso, a governadora Yeda Crusius saiu ontem em defesa de sua assessora Walna Vilarins Meneses:

Vocês conhecem a Walna? Se não conhecem, eu posso apresentar? Ela está tendo o nome jogado na fogueira. Estamos com todas as sindicâncias necessárias para trazer ao público a veracidade dos fatos. Não respondo sob pressão.’

Flagrada mantendo conversas suspeitas em escutas telefônicas autorizadas pela Justiça, Walna teve o afastamento do cargo sugerido pelo secretário da Transparência do Estado, Carlos Otaviano Brenner de Moraes. (…)

Antes de se reunir com deputados gaúchos e do PSDB paulista, Yeda percorreu os jardins da sede da representação e deteve-se apreciando uma buganvília.

‘As plantas nos trazem equilíbrio pessoal. Brasília é propícia para isso’, comentou.

Por representação, diga-se Embaixada Gaúcha em Brasília, aquela que foi comandada pelo “chantagista” e homem de pouquíssima confiança de Yeda, Marcelo Cavalcante, cuja viúva deve explicar seus contatos com o também pouco confiável Lair Ferst e a desgovernadora na próxima semana, em audiência na Assembleia Legislativa.

Uma conversa antes do feriado

17:12 | 10/06/09 | Rodrigo Alvares

O deputado Cassiá Carpes tem sido disputado pelos aliados e pela oposição para assinar o requerimento da CPI das Boletas. Sendo o único parlamentar que não vota junto com a bancada do PTB, A Nova Corja trocou um breve diálogo com o ex-técnico do Grêmio:

A Nova Corja - Como é a avaliação do governo entre os aliados da governadora na Assembleia?

Cassiá Carpes - Olha, tem gente até do PMDB que diz que se aparecerem essas provas do MPF dia 15 as assinaturas vão passar de 30. Eu sou deputado de primeiro mandato, mas a questão é que tudo isso é jogo político.

A Nova Corja - A impressão que dá é de que todo mundo quer cair fora o quanto antes desse governo.

Cassiá Carpes - É por aí. Só dois partidos têm candidato definido para o ano que vem, que são o PT e o partido da governadora. Os outros, o PMDB pode ir de Rigotto ou Fogaça. O meu partido não definiu se vai ter candidato, o PCdoB, o PDT.

A Nova Corja -E essas ameaças do Eliseu Padilha, de que tem gente que assinou o requerimento e está envolvido na Operação Solidária?

Cassiá Carpes - Isso me parece mais uma jogada política do Padilha para se defender dos inimigos dele do litoral do Estado, para garantir candidaturas em 2010.

De volta para o presente

12:13 | 10/06/09 | Rodrigo Alvares

Está uns 11 graus em Porto Alegre, tempinho gostoso para tirar a luva na Esquina Democrática e escrever em um abaixo-assinado que não vai dar em nada. Quando os petistas convocam a imprensa para prestar “satisfação à sociedade”, como os deputados do partido fizeram ontem, geralmente é porque o barco já começou a fazer água. Eles tentam convencer mais dois deputados a assinarem o requerimento para a CPI das Boletas, mas a desgovernadora agiu bem na moita para impedir que todo o pessoal do PDT votasse em bloco contra ela.

E se é para entrar nesse assunto, de que adianta mesmo um partido ter um líder de bancada se ele não consegue que seus parlamentares obedeçam às ordens dele? Leonal Brizola deve estar se revirando na tumba. O caso de José Sperotto já era esperado, mas as mesmas regras se aplicam. Falta de liderança e pulso firme.

Ao invés de dar um exemplo para a sociedade gaúcha, punir esses parlamentares e iniciar a CPI de uma vez, o PT e os deputados signatários do requerimento de instalação da CPI lançam, ao meio-dia de hoje, uma campanha pela coleta de assinaturas da população pela abertura imediata da comissão de inquérito.

Eles estarão na Esquina Democrática, onde será instalada a banca para receber as adesões e também para gravar vídeo-recados para os deputados. Se não fosse pelos videocasts, eu diria que estamos retrocedendo para a década de 1990. Só vai faltar Antônio Britto (PPS) reaparecer por aí. Se a estratégia der certo, ótimo. Do contrário, só vai parecer mais dos tantos shows que o partido dava quando tinha alguma reserva ética.

Enquanto isso, os outros deputados brincam de esconde-esconde porque precisam de mais provas. Mesmo com todo esse circo montado, fontes da Assembléia dizem que o clima na Casa é de medo e insegurança para ver se essa CPI sai mesmo. O deputado Cassiá Carpes (PTB) poderia dar o Rabisco Mágico, mas precisa de mais provas.

Como, vai faltar uma assinatura? Melhor ler o regimento interno da Casa e ver qual é a prática nesses casos. Não é à toa que Yeda Crusius também está desesperada, mas em garantir apoio$ dos deputados aliados.

Só mais um e tá feito o carreto

2:16 | 09/06/09 | Rodrigo Alvares

Paulo Azeredo assina pedido de instalação da CPI da Corrupção (ZH)

O deputado Paulo Azeredo (PDT) assinou nesta segunda-feira o requerimento de instalação da CPI da Corrupção na Assembleia Legislativa. Ao assinar na 17ª posição das 19 exigidas pelo regimento interno, Azeredo agregou dois novos fatos para investigar, as fumageiras e o vice-governador Paulo Feijó. O presidente estadual do PDT, Romildo Bolzan Jr., acompanhou o ato de assinatura do deputado pedetista.

Pela manhã, Azeredo esteve com o procurador-geral do Ministério Público de Contas, Geraldo da Camino, onde encaminhou pedido de investigação da Secretaria da Fazenda e Banrisul por suspeitas de favorecimento financeiro às fumageiras que contribuíram na campanha eleitoral da governadora Yeda Crusius.”

Falta mais uma assinatura? Ah, mas essa é a surpresa Kinder Ovo dessa trampa toda. Prevejo governistas totalmente em chamas quando acontecer. Se quer saber quem é, ligue os pontos.

Mas confesso que achei interessante a declaração do deputado Cassiá Carpes (PTB) à coluna de Rosane de Oliveira: “Esperamos uma coisa mais concreta, sem pressa. Se surgir alguma questão do MPF, vão sobrar assinaturas. A expectativa é de toda a sociedade“, resumiu Cassiá.

O deputado parece saber um pouco mais do que todo mundo. Assine de uma vez para que os gaúchos parem de receber mensagens cifradas.