Tag ‘Lair Ferst’

Do que Yeda Crusius tanto corre?

13:15 | 15/07/09 | Rodrigo Alvares

Yeda evita imprensa em encontro
com Lula (Diários de Brasília/ZH)


“Desgovernadora, a imprensa não quer a senhora concorra contra a Dilma?

A governadora Yeda Crusis chegou por volta das 10h Centro Cultural Banco do Brasil, em Brasília, onde encontrou o presidente Lula para apresentar o investimento de R$ 2 bilhões da GM no Estado.

Na chegada, a governadora evitou a imprensa e ingressou no prédio por uma entrada lateral. Deputados e até a ministra Dilma, que também participaram do encontro, passaram pelos repórteres e entraram pela porta principal do centro.

Quando deixou o prédio, pelo mesmo lugar que entrou, Yeda foi cercada pelos jornalistas. Porém, de forma brusca, os seguranças da governadora não permitiram o contato da imprensa. Alguns repórteres chegaram a cair no chão. Antes de entrar no carro, Yeda pronunciou apenas uma frase:

‘A reunião foi muito boa.’

A governadora seguiu para o aeroporto, onde pegará um voo de volta a Porto Alegre.”

Transparência é feita com notas apócrifas

8:11 | 13/07/09 | Rodrigo Alvares

Documento falso escancara desespero no Piratini

20:26 | 10/07/09 | Rodrigo Alvares

Os repórteres que estavam no saguão do Palácio Piratini nesta sexta-feira ficaram espantados quando receberam o documento abaixo de um funcionário da Casa Civil, no qual o pior ex-amigo da desgovernadora Yeda Crusius, Lair Ferst, contestaria a reportagem publicada pela Zero Hora na última segunda-feira.

Reprodução
lair2.JPG

Mas então o Lair Ferst continua trabalhando dentro do Piratini?

Se isso não é desespero, não sei mais o que é. Fontes do blog afirmaram que o documento é falso e, pior de tudo, feito de forma absurdamente amadora. Elas conversaram com o advogado de Lair, Lúcio de Constantino, que afirmou categoricamente a torpeza da manobra do governo, pois só ficou sabendo desse papel quando procurado pelas reportagens.

Além disso, quem chegou a tê-lo em mãos disse que a assinatura de Ferst no documento provavelmente foi feita com a colagem de algum documento que ele tenha corroborado durante a campanha de Yeda Crusius. Seria irônico, para dizer o mínimo. A reportagem tentou falar com a assessoria de imprensa, mas ninguém ali sabia nada de nada, para variar. Na Casa Civil, ninguém atendeu o telefone.

Quem acompanha o blog deve saber quem foi o primeiro a publicar essa farsa como verdadeira, já que também está processando a autora da matéria do início da semana. Chega a ser constrangedor saber que essa demência pilantra e amadora saiu de dentro do Palácio Piratini.

Update 23h15:

1) Desespero de causa (Blog da Rosane/Zero Hora)

Na tentativa de desqualificar o depoimento prestado, por escrito, por Lair Ferst ao Ministério Público Federal, pessoas vinculadas ao governo estão distribuindo _ pessoalmente e pela internet _ cópias de uma carta falsificada, supostamente escrita por ele negando ter dado as informações encaminhadas ao procurador-geral da República pelo procurador Alexandre Schneider. Um blog chegou a tratar como verdadeira a carta com a assinatura falsificada de Lair.

O documento que Zero Hora publicou na segunda-feira com os 20 fatos citados por Lair é cópia do material entregue ao procurador-geral da República.

O advogado Lúcio de Constantino diz que a declaração distribuída ontem em frente ao Palácio Piratini não foi firmada por Lair Ferst e que a distribuição é coisa de amador. Lair diz que sua assinatura foi falsificada nessa carta.

Veja a íntegra da nota distribuída por Constantino em nome de Lair:

‘Face recente divulgação de escrito cujo título é Declaração, datado de 08 de julho de 2009, e que se apresenta em nome de Lair Antônio Ferst, esclarece-se que:

1 -A referida declaração é uma grosseira falsificação, caracterizando-se, perfeitamente, tipo previsto no Código Penal.

2 - A referida declaração jamais foi escrita ou endossada por Lair Antônio Ferst.

3 - A acredita-se que tal declaração se trate de manobra a fim de confundir a opinião pública e agradar interesses escusos e contrariados.

4 - Por repudiar tal declaração, salienta-se que as providências cabíveis e necessárias ao caso já foram tomadas, a fim de apurar a responsabilização dos autores.

Porto Alegre, 10 de julho de 2009′”

2)Ferst: não assinei documento
negando denúncias contra Yeda (Terra)

O empresário que coordenou a campanha da governadora gaúcha Yeda Crusius (PSDB), Lair Ferst, divulgou nesta sexta-feira uma nota em que nega a autoria de um documento que contesta as denúncias publicadas nesta semana no jornal Zero Hora. Segundo Ferst, o papel, que circulou entre profissionais de imprensa do Estado, é uma ‘grosseira falsificação’. (…)

Circulou nesta tarde entre profissionais de imprensa do Rio Grande do Sul uma declaração assinada por Ferst negando as denúncias. O advogado Lúcio de Constantino emitiu nota em que garante que o papel é falso.

Procurada, a assessoria de imprensa do Palácio Piratini disse que o documento não foi divulgado pelo governo do Estado.”

No Bovinão tu sabes depois

14:18 | 08/07/09 | Rodrigo Alvares

Até em São Paulo sabiam desde ontem que o advogado de Lair Ferst, Lúcio de Constantino, concederia uma coletiva hoje pela manhã, mas ninguém transmitiu ao vivo. Agora, resta aos interessados ouvirem um “resumo” da coletiva na Rádio Gaúcha, pedido pelo apresentador Lasier Martins:

Advogado confirma existência de gravações
que comprometeriam governo Yeda (Zero Hora)

O advogado de Lair Ferst, Lúcio de Constantino, confirmou esta manhã a existência de gravações que comprometeriam o governo Yeda Crusius. Constantino convocou a imprensa para ler a declaração do cliente. Até então, eles não admitiam existência de supostas provas de corrupção. O advogado não confirma acordo de delação premiada. Sem dar detalhes, Lúcio de Constantino garante que os áudios vão ajudar na defesa do empresário.

‘São provas fartas. E digo mais, no interior do Rio Grande do Sul se diz chumbo grosso.’

O advogado disse que as gravações serão divulgadas às autoridades competentes em momento oportuno. Afirmou ainda que Lair Ferst aumentou a segurança particular dele e da família.”

“A governadora não está perturbada”

7:17 | 07/07/09 | Rodrigo Alvares

Tá, arrã. Quero ver o que os repórteres de Brasília vão escrever sobre isso hoje, enquanto Yeda Crusius (PSDB/RS) participa do aniversário de 15 anos do Plano Real.

yeda.gif

No meio tempo, a íntegra das acusações de Lair Ferst na denúncia ao MPF e alguns trechos para os deputados assinarem aqueles dois votos que faltam para a CPI:

FATO 01 – Esclarecimentos de que foi a Govenadora que chamou LAIR ANTONIO FERST para atuar como um dos coordenadores da campanha eleitoral, ligado diretamente a ela e ao Coordenador Geral da Campanha Marcelo Cavalcante. No início da campanha eleitoral, à época, a Candidata Yeda Crusius me chamou através de Marcelo Cavalcante para uma conversa na sede do Diretório Estadual do PSDB, foi quando ela me convidou, e fez um apelo, para que eu integrasse a cúpula da campanha.

Nesta reunião, com a presença de Marcelo que me foi apresentado, por ela, como seu Coordenador Geral de Campanha, foi acertado então, que eu e o Marcelo ficaríamos vinculados diretamente a ela, com todo o seu respaldo para atuar em seu nome no sentido de dar dinamismo e objetividade a campanha que naquele momento estava totalmente parada.

Yeda argumentou neste ato que não podia abrir mão da minha participação em vista de ser um dos melhores quadros do PSDB, com experiência em campanhas políticas. Depois desta combinação passamos a organizar e planejar o desenvolvimento da campanha que também nesta fase estava atravessando a pior crise financeira. (existe Áudio com Marcelo)”. (…)

FATO 05 – Esclarecimentos sobre arrecadação de R$ 40.000,00 (quarenta mil reais) da Empresa PERKONS EQUIPAMENTOS ELETRONICOS LTDA, que tem contrato dos Pardais com o DAER.” (…)

FATO 10 – Esclarecimentos da arrecadação de R$ 400.000,00 (quatrocentos mil reais) após a eleição, uma semana antes da compra da casa da Governadora, sem recibo, sendo R$ 200.000,00 (duzentos mil reais) da ALLIANCE ONE INTERNATIONAL, representado pelo seu Diretor, HENRIQUE CAMPESTRINI, e R$ 200.000,00 (duzentos mil reais) da Empresa CTA-CONTINENTAL TABACOS ALLIANCE S.A., representada pelo seu Diretor Presidente, ALLAN K. N. BICHINHO, ambas empresas do ramo Fumageiro de Santa Cruz do Sul e Venâncio Aires.

Esta contribuição foi intermediada por Lair Antonio Ferst e Marcelo Cavalcante, o referido valor foi oferecido pelo DEP. JOSE OTAVIO GERMANO, a Governadora YEDA CRUSIUS. Uma reunião foi realizada no escritório do Deputado por exigência dele que queria ficar com crédito político junto a Governadora para indicar o Presidente do DETRAN.

Participaram desta reunião AOD CUNHA DE MORAES JR, RUBENS BORDINI, atual Vice-Presidente do BANRISUL, LAIR FERST, o DEP. JOSÉ OTAVIO GERMANO e os representantes da empresa, este fato ocorreu no período de transição, entre a eleição e a posse, provavelmente no mês de novembro do ano de 2006.” (…)

FATO 14 - Esclarecimentos de que no final do mês de Maio RUBENS BORDINI em nome da Governadora, recebeu R$ 170.000,00 (cento e setenta mil reais), em espécie, como propina, provavelmente no Gabinete do Presidente do Tribunal de Contas do Estado, JOÃO LUIZ VARGAS, o valor foi entregue por representantes da FUNDAE e PENSANT. No dia seguinte Lair Ferst, sabedor do fato por FLAVIO VAZ NETTO, foi ao Banrisul e alertou RUBENS BORDINI que ele acabaria derrubando o Governo, pois ele era Vice-Presidente de um Banco estatal e estava envolvido em atos ilícitos.”

Os tucanos bovinos podem se identificar

17:07 | 06/07/09 | Rodrigo Alvares

Acabou de sair no site do PSDB Bovino:

Nota Oficial

A Executiva estadual do PSDB, em respeito a seu compromisso com o Estado Democrático de Direito, vem manifestar com relação ao que o jornal Zero Hora publicou nesta segunda-feira, 06/07, o que segue:

1 – São denúncias já conhecidas, desacompanhadas de qualquer prova, divulgadas com o intuito de difamar o nome e a integridade da governadora Yeda Crusius e integrantes deste partido;

2 – Entende como prática ilegítima e atentatória à Democracia o sistemático vazamento de informações que estariam protegidas por segredo de justiça, afronatndo e enfraquecendo as instituições do Estado de Direito;

3 – Contesta a condenação antecipada de pessoas idôneas, às quais é imposta a obrigação de arcar com o ônus da prova contra imputações que, por sua vez, são destituídas das mesmas.”

Como a nota não é assinada, tem apenas o selo da executiva gaúcha do PSDB - alô, Sérgio Guerra? -, seguem abaixo os nomes e links de contato com cada um dos integrantes. Bate um fio para eles, menos para um, por favor.

Executiva estadual

Nome

Zilá Maria Breitenbach
Bercilio Osvaldo Luiz da Silva
Ruy Pauletti
Tomaz Gilian Deluca Wonghon
Gilberto Teixeira da Cunha
José Carlos Breda
Vulmar Silveira Leite
Júlio César Redecker (Sim, atualizar URG)
Adilson Troca
Paulo Cesar dos Santos Brum
Marcos Antônio Ronchetti
Dalti Proszek
Lindemar Franzon
Valcir José Pacheco Ritta
Hugo Jorge Appel Prevedello
Ademir José Schneider

Esclarecimentos requentados

15:06 | 06/07/09 | Rodrigo Alvares

A desgovernadora reclama dos “fatos requentados” publicados pela Zero Hora - e pela A Nova Corja desde o ano passado -, mas bem que poderia ser mais original na hora de tentar remendar os estragos. Ao menos, entendi porque a agenda de Yeda Crusius (PSDB) hoje serve apenas para reuniões internas.

Nota de Esclarecimento

Em face das informações publicadas no jornal Zero Hora, de 06 de julho corrente, o Governo do Estado, em respeito à democracia e à população do Rio Grande do Sul esclarece que:

1º. Não há nada de novo na divulgação do referido jornal.

2º. Todas as supostas denúncias são fatos já mencionados no passado, sem qualquer comprovação, com o claro objetivo de criar dúvida e estabelecer desconfiança na relação do Governo com a Sociedade;

3º. A eleição terminou. Todas as contas da campanha eleitoral foram julgadas, auditadas pelos órgãos competentes e aprovadas, o que permitiu a diplomação da Governadora. As mesmas estão à disposição no Portal do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul.

4º. Em relação à compra da casa, o fato já foi investigado pelo Ministério Público Estadual, que determinou o arquivamento da investigação dado a legalidade comprovada pela análise da farta documentação disponibilizada pela Governadora.

5º. O Governo continua empenhado em manter a governabilidade do Estado e garantir o cumprimento de suas responsabilidades na gestão dos serviços públicos.

6ª. Celebrando o pleno Estado de Direito vigente no País, o Governo do Estado aguarda com serenidade o desenvolvimento das investigações, confiando que a Justiça seja feita e respeitando todos os princípios democráticos reafirma sua obrigação de responsabilizar os que na ânsia de atacar e agredir, afrontam a verdade e violentam a imagem de pessoas e instituições.”

Acabou a cantoria para a Yeda

13:42 | 06/07/09 | Rodrigo Alvares

Até que enfim. Só isso para tentar tirar da minha cabeça aquele vídeo de ontem. Segundo a Zero Hora, o chefe da Procuradoria Regional da República, Antônio Carlos Welter, disse que só hoje poderá confirmar se os ofícios a que o jornal teve acesso saíram da Procuradoria. Seja como for, o documento existe. Imagino como não devem estar os outros indiciados.

Lair Ferst faz denúncias contra o governo (Zero Hora)

Pivô do escândalo do Detran entregou ao MPF acusações
envolvendo campanha de Yeda e início da administração

Desde fevereiro, quando a deputada Luciana Genro deu entrevista ao lado do vereador Pedro Ruas, ambos do PSOL, revelando denúncias que teriam sido feitas por Lair Ferst contra a governadora Yeda Crusius, os gaúchos convivem com a dúvida sobre se o pivô do escândalo do Detran estaria colaborando com as investigações. A confirmação veio ontem por meio de documentos a que Zero Hora teve acesso.

No ofício OF/SECRIM/PRRS/Nº 2669, datado de 16 de abril, o procurador Alexandre Schneider encaminha ao então procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, um texto escrito por Lair detalhando 20 supostas irregularidades que teriam sido cometidas na campanha de 2006 e no início do governo de Yeda.

ZH teve acesso a 12 páginas das 13 páginas escritas em computador por Lair, rubricadas e numeradas pelo protocolo da Procuradoria-Geral da República.

Lair conta desde sua aproximação da campanha até suposta oferta de propina à governadora feita pelo grupo responsável pela fraude no Detran.

No relato, afirma que a casa de Yeda foi comprada por R$ 1 milhão, e não por R$ 750 mil, como está no contrato, e que a diferença foi paga com caixa 2.

São levantadas suspeitas sobre mais de 30 pessoas ou empresas. Lair descreve um cenário de farto caixa 2. Um dos 20 fatos afirma que a SP Alimentação, fornecedora de merenda escolar para a prefeitura de Canoas, doou R$ 500 mil que foram utilizados no início da organização da campanha.

Os valores teriam chegado ao comitê por meio de Chico Fraga, então secretário de Governo de Canoas. A SP é suspeita de envolvimento na fraude no município.

O dinheiro não contabilizado normalmente era recebido por Marcelo Cavalcante, ex-assessor morto em fevereiro, e por Walna Meneses, assessora de Yeda e, segundo o depoimento, “controladora do caixa 2”. Lair faz ataques ao ex-marido de Yeda.

Conta que Crusius era avisado da chegada de doações. Muitas vezes, à noite, diz o relato, Crusius buscava dinheiro no comitê e levava para o apartamento da candidata. Os recursos nunca mais retornavam.”

Enquete Fala mai$, Lairrrrrr

12:18 | 06/08/08 | Walter Valdevino

Tá ali ao lado nossa mais nova e insuperável enquete. Vote djá!

Após semanas de intensos €$tudo$ e$tatí$tico$ e p$icológico$, inauguramos a nova modalidade de escolha democráticaparticipativaedequalidade através da qual você pode escolher mais de uma opção de resposta.

O resultado da enquete anterior (e aqui você confere todas as nossas enquetes encerradas) foi este:

Quem você acha que venceu o debate na Band?

Dom Inácio 2,49% (9 votos)
Maluf 5,25% (19 votos)
Chapolim 9,12% (33 votos)
Armando Burd 3,31% (12 votos)
As Pampacats 35,64% (129 votos)
Boris Casoy 44,20% (160 votos)

Total: 362 votos

Lair acusa Yoda - fodeo

8:14 | 06/08/08 | Walter Valdevino

Se tem uma coisa delícia sempre que estoura alguma maracutaia é quando o pessoal magoadinho resolve abrir a boca.

Lair Fer$t, o empresário que comandou toda a primeira fase do e$quema de roubalheira do Detran e foi pego com a boca na botija tentando sacar a merreca de R$ 200 mil na semana passada, resolveu falar. Lair, o ex-Mi$$, se desfiliou do P$DB há alguns dias e tem andado bastante magoadinho com a tucanagem desde que foi jogado para escanteio pela desgovernadora e pelo maior intelectual bovino, o Prof. Fernande$, da Con$ultoria Pen$ant.

Em mais um furo na mídia má local (zzz…zzz…zzz), Lair resolveu falar para a mídia má paulistóide. Em entrevista publicada na Folha de S. Paulo de hoje, Lair, que está prestes a fechar um acordo com o Ministério Público Federal em troca da retirada de parte das acusações contra ele, acusa diretamente a desgovernadora de reestruturar o esquema de fraude no Detran com a troca da Fatec pela Fundae.

Principais trechos da matéria e da entrevista:

Acusado de desvio no Detran-RS muda versão e agora envolve Yeda

(…)

O empresário Lair Ferst, acusado de ser um dos pivôs do desvio de R$ 44 milhões do Detran-RS, envolveu ontem pela primeira vez a governadora Yeda Crusius (PSDB) na fraude.

Uma semana depois de se desfiliar do PSDB, Ferst -que ajudou a coordenar a campanha de Yeda em 2006- afirmou em entrevista exclusiva à Folha que foi uma decisão da cúpula do governo reestruturar o esquema de desvio.

O empresário negocia com o Ministério Público Federal e com a Justiça implicar cerca de dez nomes de integrantes e ex-integrantes do primeiro escalão do governo gaúcho, além de pessoas com foro privilegiado, em troca da retirada de parte das acusações contra ele.

(…)

As novas informações que Ferst promete acrescentar se referem à chamada “fase dois” da fraude -quando o Detran substituiu, em maio de 2007, a Fatec pela Fundae, ambas fundações ligadas à Universidade de Santa Maria.

(…)

Agora, Ferst afirma que era amigo da governadora e que foi recebido mais de uma vez por Yeda depois da posse. Segundo ele, a reestruturação da fraude, com a troca de fundações, foi decisão política do governo. “É público e notório que houve o envolvimento da governadora nesse processo”, disse ele.

(…)

A reavaliação de sua estratégia de defesa ocorreu após o cancelamento do depoimento que prestaria à Justiça Federal no dia 20. Aprovada este ano, a lei 11.689 altera o curso do processo criminal, deixando para a última fase os depoimentos dos réus. Além da razão processual, Ferst mostra-se magoado com o “abandono” de tucanos.”

O trecho fatal da entrevista:

FOLHA - A troca de fundações foi fruto de decisão do governo?
LAIR FERST
- Não seria possível essa mudança sem orientação política de governo, sem respaldo político.

FOLHA - Do alto escalão?
FERST
- Do governo como um todo, na sua plenitude.

FOLHA - Da governadora?
FERST
- Na CPI do Detran, o próprio [ex-] presidente do Detran, Flávio Vaz Netto, disse que teve reuniões tratando deste assunto [com Yeda]. Ela se reuniu também com sindicatos de examinadores. É público e notório que houve o envolvimento da governadora neste processo. […] Aparecerão nomes que não foram nem citados no inquérito. Há vários personagens que não foram citados que poderão a ter sua participação esclarecida.”

O outro lado (zzz…zzz…zzz…):

“Por meio de sua assessoria de imprensa, a governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), que cumpria agenda em Brasília ontem, afirmou que não tomou conhecimento da fraude do Detran antes da deflagração da Operação Rodin, da Polícia Federal, em novembro do ano passado.

“Se ela tivesse tido conhecimento, teria feito o que sempre faz quando surge alguma denúncia: mandado apurar“, disse o assessor Joabel Pereira, repetindo um argumento já apresentado anteriormente pela governadora quando foi questionada sobre o assunto.

(…)

Escalado pela tucana para falar sobre o papel de Ferst durante a campanha eleitoral de 2006, o deputado federal Cláudio Diaz (PSDB), um dos coordenadores da campanha, afirmou que o empresário não tinha participação em decisões importantes na eleição de 2006.

Desconheço qualquer papel dele na coordenação, ele raramente aparecia no comitê. Vi o Lair eventualmente em alguma ação de rua“, disse o deputado tucano.”

Decadência e pobreza

16:52 | 30/07/08 | Walter Valdevino

É claro que você já ouviu 500 vezes no repeat o Funk do Detran, nossa super produção musical que estourou em todas as paradas. É óbvio também que você já conhece de cor um dos principais trechos do funk:

Eu cobrei: um milhão e meiô
Tá?
Eu cobrei: um milhão e meiô

Diante disto, é simplesmente chocante que o lobista Lair Ex-Mi$$ Ferst, cujos bens estão bloqueados pela Ju$tiça, tenha tentado sacar R$ 200 mil em dois bancos da capital bovina. É muita pobreza. É muita falta de cla$$e.

R$ 200 mil não é nem a metade do que cada um de nós aqui do blog recebe por mês de propina para sustentar nosso claro e evidente comprometimento ideológico.

Estamos MUITO decepcionados, Lair. Você já teve mais cla$$e.

Do blog da Rosane de Oliveira:

Policiais federais gaúchos impediram hoje o lobista Lair Ferst de burlar a decisão da Justiça Federal que bloqueou suas contas bancárias.

Indiciado pela Polícia Federal na Operação Rodin, Lair foi abordado no momento em que tentava efetuar saque de R$ 100 mil, em espécie, em uma agência bancária em Porto Alegre. Ele já tinha feito previsão de saque de outros R$ 100 mil em outra agência. O dinheiro havia sido transferido via TED nominal a Lair, momentos antes.

Os policiais agiram em cumprimento à ordem judicial que determina o bloqueio dos bens e contas bancárias de Lair, que após ser indiciado pela PF, foi denunciado pelo Ministério Público Federal e atualmente responde a processo criminal na Justiça Federal de Santa Maria.”

Feijão Presidente do Universo

22:28 | 08/06/08 | Leandro Demori

feijo_presidente

Atirar merda no ventilador é uma arte. E arte não é igual a funk, que qualquer um faz. Arte, na política, é o difícil equilíbrio entre o banditismo e… bem, o banditismo. Antes de tudo, para atirar merda no ventilador você tem que saber exatamente onde seu rabo está preso. Depois, é preciso armar tudo de maneira que não reste dúvida sobre o que se pretende passar.

Esses são os requisitos básicos para uma boa merda no ventilador. Requisitos que Paulo Feijó cumpriu com maestria. Quando tornou públicas as gravações de Bu$atto (te$ão), Paulo Feijó tornou-se personagem quixotesco a apontar a lança para um moinho de vento. Bu$atto é personagem da política bovina há décadas, e sua confissão gravada é como se fosse de DiLLma para LuLLa.

Lair Ferst seria o Roberto Jefferson ideal, mas se limitou a enviar uma carta para a (des)governadora. E na hora H, se calou. Feijó, então, assumiu o papel de dedo-duro, cagüeta, X9. Feijó é um Zé Alencar que não se calou. Entrou para a política de maneira despretensiosa, como candidato a vice na chapa de um partido inexistente no Bovinão. Ninguém jamais imaginaria que Yoda ganharia eleição alguma. Feijó só queria aproveitar a campanha para falar, fazer sua defesa do estado mínimo e, sobretudo, da redução dos impostos.

Que fique claro a seus asseclas e inimigos íntimos: Feijó não tinha projeto de poder. Não é político profissional e jamais lhe passou pela cabeça viver de política. O vice-governador é um empresário, que entrou nos corredores da política para defender interesses claros e específicos. A isso costumam dar o nome de democracia. A ele, costumam dar o nome de capitalista. É o que temos para o momento.

Ex-dono de um empresa bem sucedida, a Mercador, Feijó foi sócio da Telefônica antes de vender quase tudo para Miguel Abuhab, um dos maiores empresários da área de softwares do Brasil. Imagine $$. Agora imagine mais $$$$. Política? Ná. Dinheiro.

Em 2006, quando viu o Piratini se agigantar diante de seus olhos, sua única missão declarada foi pagar menos impostos. Sua bandeira era o capitalismo feio, bobo e mau, e foi exatamente por isso que entrou em atrito com a (des)governada nos primeiros segundos de jogo. Golpista? Também Não. Feijó é um magoado que, como ele próprio disse, “só queria ser ouvido”.

Há criticas a fazer (e muitas). Acreditar que qualquer um envolvido com a política possa ser canonizado é ingenuidade sem limites. Mas o que mais dói aos adversários de Feijó é o fato de que não haverá nenhum dossiê contra ele. Ou “banco de dados”, que é como se chama dossiê neste país. Quando entregou as gravações, Paulo Feijó sabia que teria sua vida varrida da A a Z. Se o fez, sabe onde está pisando. Qualquer dossiê será uma farsa.

Por outro lado, o papel de Busatto nessa história toda vai muito além do que as gravações revelam. Sua atuação no Pacto pelo Rio Grande, por exemplo, foi fundamental. O documento previa que indústrias de energia fossem instaladas no estado. Parte grossa desse dinheiro iria para bolsos particulares, parte deles, os mesmos do Detran, que financiam partidos, que trabalham para que esses mesmos bolsos jamais fiquem vazios. É um círculo vicioso. Um swing. Um troca-troca. Mas com o SEU redondo.

Por tirar de circulação (ao menos temporariamente) gente da pior laia, essa operação Rodan é histórica. Ruiu não somente uma quadrilha feita do acaso, mas um bando de pilantras que se aproveitaram de (mais) uma falha no sistema. A famiglia Fernandes é sem sombra de dúvida um dos mais bem armados cartéis de lobby, extorsão e corrupção de toda a história ruminóide.

Melhor. Tudo. Sempre.

LAIR ANTÔNIO FERST, vulgo “EX-MISS”

1:17 | 29/05/08 | Walter Valdevino

Poesia pura a denúncia do Ministério Público Federal (em pdf) contra os 44 bandoleiros metidos na fraude delícia de R$ 44.000.000,00 no Detran-RS.

A Ju$tiça do RS colocou no site a íntegra da denúncia e também a decisão da juíza Simone Barbisan Fortes (em pdf), que rejeitou, por falta de provas, as acusações contra 4 dos citados pelo MP (RONALDO ETCHECHURY MORALES, LUIS FELIPE TONELLI DE OLIVEIRA, SÉRGIO DE MORAES TRINDADE e JORGE ALBERTO VIANA HOSSLER).

São 242 páginas descrevendo toda a falcatrua envolvendo DETRAN, FUNDAE, FATEC, Pen$ant, Newmark, Rio Del Sur etc. etc. e mais um bônus, nas notas de rodapé, com várias descrições de infindáveis ligações telefônicas e trocas de email entre os envolvidos, comprovando por A + B que nós, bovinóides, um povo ultrapolitizado, somosmelhoresemtudosempresemlimite.

Tem também o endereço de cada um dos denunciados, caso algum bovinóide queira montar acampamento de protesto, e a descrição dos núcleos da roubalheira (1 - Núcleo Família Fernandes (PENSANT); 2 - Núcleo LAIR FERST; 3 - Núcleo CARLOS ROSA; 4 - Núcleo Universidade Federal de Santa Maria; 5 - Núcleo PAKT; 6 - Núcleo DETRAN e 7 - Núcleo Fundacional).

Enfim… 242 páginas de detalhada descrição de nossa derrota moral.

Para registro, além dos dois pdfs salvos em nosso $ervidor, botamos abaixo a lista completa dos 40 réu$ com seus respectivos “fatos delituosos”.

Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda a terra

(more…)

Frase do milênio

13:26 | 25/04/08 | Walter Valdevino

Desgovernadora Yoda confirmando sua filiação ao Pê Tê:

lairferst1.jpg
(Foto:Marcos Nagelstein)

Não está na minha linha de ação demitir uma pessoa porque tomou chope no Shopping Total.”

Da Zero Hora:

Yeda descarta afastamento de Ariosto Culau

Governadora disse que secretário foi comemorar o rompimento do contrato entre Detran e Fundae

A governadora Yeda Crusius afastou a possibilidade de demitir o secretário do Planejamento, Ariosto Culau. Ele foi flagrado na noite de quinta-feira tomando um chope com o empresário Lair Ferst, indiciado pela Polícia Federal na Operação Rodin, no shopping Total, em Porto Alegre.”