Tag ‘Mainardi’

Força, Paulinho. José Dirceu te garante

18:46 | 08/05/08 | Rodrigo Alvares

Mais invenções da Mídia Má, Feia e Bobona no podcast de Diogo Mainardi:

Mordedores de grana do BNDES

Num telefonema grampeado pela PF, um dos acusados de participar do esquema de desvio de verbas do BNDES disse para outro:

- O cara é ligado ao José Dirceu e vai querer morder uma grana.

Ele se referia a um funcionário do BNDES. Qual deles? De acordo com o blogueiro César Maia, só pode se tratar de Élvio Gaspar. Recebi a mesma dica na semana passada. Fui furado por César Maia. Mas acrescento um dado: Élvio Gaspar está sendo investigado pela PF.

Primeiro: ele é ligado a José Dirceu. Mais precisamente, ele é ligado à turminha carioca de José Dirceu - gente como Waldomiro Diniz e Marcelo Sereno. Foi secretário de Planejamento do Rio de Janeiro, no governo de Benedita da Silva. No primeiro mandato de Lula, ganhou um cargo de comando no ministério do Planejamento. Depois disso, foi transferido para o BNDES. “

Uma jogadinha no Google basta para encontrar algumas referências ao sujeito. Como, por exemplo, esta resposta de Dirceu durante seu depoimento na Câmara em 2 de agosto de 2005, devidamente taquigrafada:

O SR. DEPUTADO NELSON MARQUEZELLI — (…) Quem é Élvio Gaspar, do BNDES? Trabalhou com Waldomiro Diniz, trabalhou com V.Exa.?

O SR. DEPUTADO JOSÉ DIRCEU — (…) Élvio Gaspar, se não me engano. Assim, conheço… Ele foi sub-Secretário de Planejamento do Governo Antony Garotinho, quando Jorge Bittar… Se eu não estou confundindo as pessoas. Eu não estou, não sei se estou confundindo as pessoas, porque não tenho referência. E trabalhou, sim, no BNDES. Nunca trabalhou comigo, nunca teve nenhuma relação comigo mais próxima. Ele é um servidor público. Com relação a Waldomiro Diniz, desconheço se ele tem relação ou não com Waldomiro. Nunca me chegou nenhuma denúncia na Casa Civil, até porque não é atribuição da Casa Civil sobre isso, sobre mensalão ou sobre Delúbio Soares ou Sílvio Pereira.
 
A história não deixa de ser irônica, como tudo que envolve o PT. Élvio é nada menos que um dos diretores do BNDES. Se alguém quiser ligar e conferir, aqui está o telefone. Só não entendo por que ninguém pede algum esclarecimento ao ministro do Desenvolvimento, Miguel Jorge, sobre as bandalheiras no seu guarda-chuva.

EU VOU TE PROCESSAR, HEIN!

15:21 | 14/01/05 | Rodrigo Alvares

NOTA OFICIAL DE JORGE FURTADO E CASA DE CINEMA DE PORTO ALEGRE

“Não é tarefa simples desenredar o emaranharado de calúnias, inverdades, imprecisões e maldades da coluna de Diogo Mainardi publicada na edição 1.887 da revista Veja.

Eu e a Casa de Cinema de Porto Alegre, empresa da qual sou sócio, vamos processar o jornalista e a revista Veja para tentar reparar, na justiça, qualquer espécie de prejuízo que o texto possa ter provocado.

Informamos que serão processados também qualquer jornal, site na internet, revistas ou quaisquer publicações que, com ou sem autorização expressa do jornalista e da revista Veja, também publicarem o referido artigo, total ou parcialmente.

Por se tratar de tema que envolve disputa judicial, esta será a única declaração que, por enquanto, daremos sobre este assunto lamentável”.

Jorge Furtado

Porto Alegre, 10.01.05

Às vezes aparece alguma coisa que preste em Campinas

3:43 | 14/12/04 | Walter Valdevino

A coisa positiva do governo Lula foi pra mim, eu acho que eu fui a única pessoa nesse país que saiu ganhando. Eu sempre digo: eu devia pagar o dízimo petista, porque ele me deu uma popularidade inimaginável.

Entrevista com o Diogo Mainardi no Semana 3.

Tem também a tradicional coluna gastronômica do Träsel e a do Alexandre Soares Silva.

“Tô me lixando pra cultura brasileira”

13:17 | 10/11/04 | Walter Valdevino

A palestra de ontem (quatro posts pra baixo), definitivamente, foi um sinal dos tempos.

Em poucas palavras, o que aconteceu foi que os “acadêmicos” (Renato Mezan e Cirne e Lima) levaram uma SURRA FENOMENAL da CHINELAGEM SEM CRITÉRIO (Diogo Mainardi e Juremir, seu seguidor gaúcho).

O Mainardi começou a falar dizendo que não sabia direito o que estava fazendo num evento sobre “Arte e cultura em debate” porque estava SE LIXANDO PRA CULTURA BRASILEIRA. O mais sério é que, depois de ouvir a explicação dele, não tem como não concordar. A idéia é a de que cultura no Brasil só existe porque foi o governo que criou, como instrumento de dominação. Tudo começou com o getulismo e depois ganhou mais força durante a Ditadura. É a velha idéia de nação, de povo unido, de futebol, de carnaval, essa merda toda de BRASIL SUADO que não faz o MENOR SENTIDO ainda mais para quem vive no Sul do país.

Segundo o Mainardi, é um absurdo o que o governo faz, patrocinando TODA a “cultura” brasileira, principalmente os filmes. Dá para entender exatamente o que ele quer dizer quando a gente vê que alguém é capaz de fazer uma EXCRESCÊNCIA como esta e como praticamente 99% do resto do cinema nacional.

O Juremir, por sua vez, também TOCOU O HORROR, propondo uma nova religião, o MAINARDISMO (com camisetas “Diogo salva”).

Do outro lado, se apavorando e tentando manter o nível, estavam o Cirne Lima e o Mezan. Filósofos e velhos, aliás. Ficaram o tempo inteiro propondo o SEM SENTIDO, ou seja, que fosse realizado um “debate sério” sobre arte e cultura – como se isso fosse possível -, que piadinhas tinham hora, que o Mainardi analisava as coisas com muita pressa, etc.

Simplesmente não conseguiram entender a ironia do troço todo e muito menos serão capazes de entender que ACABOU TUDO.

É grave a situação: em todos em debates que eu tenho ido nos quais misturam “acadêmicos” com outros chinelos, os acadêmicos sempre levam um pau. Chegou numa situação em que simplesmente não existe mais jeito de discutir NADA seriamente. Eu acho ótimo e importante saber que foi o Baumgarten que criou a expressão “estética” e também sei ler coisas em grego clássico, só que ficar mostrando isso num debate, como fez o Cirne Lima, é o mais grotesco dos pedantismos, ainda mais porque foi - como sempre é - irrelevante. É o velho ranço acadêmico que cansa as pessoas e não leva a nada.

É duro, mas as pessoas não se dão conta de que o Iluminismo já teve a sua época.

Agora, só nos resta uma coisa: MAINARDI PRESIDENTE.

MAINARDI PRESIDENTE

23:57 | 08/11/04 | Walter Valdevino

Já me preparando para o evento de amanhã (dados ali em baixo), aproveito para postar trechos fabulosos do IMPERADOR DO BRASIL:

Primeiro: Lula vai perder em 2006. Segundo: Geraldo Alckmin será eleito para o seu lugar. Terceiro: a maior preocupação, a partir de agora, é saber quem fará oposição ao futuro presidente. Os petistas não poderão cumprir esse papel. Depois de quatro anos se esbaldando em Brasília, estarão desacreditados não só como governo, mas também como oposição. Com Lula aposentado em São Bernardo do Campo, o partido tenderá a ser desmantelado, dando origem a uma infinidade de grupelhos parlamentares, em guerra um com o outro. O risco, portanto, é que Geraldo Alkmin governe hegemonicamente, sem oposição organizada. Ruim para o Brasil.

(…)

Lula vai perder em 2006 pelo mesmo motivo pelo qual perdeu as eleições municipais: os eleitores estão nauseados com o comportamento do PT. O país poderá até crescer 4% ao ano, graças à segunda linha do PSDB infiltrada no comando da economia, mas os petistas estão acabados politicamente, porque continuarão a ser vistos como uma gente disposta a cometer qualquer indignidade para preservar o poder.

(…)

Os políticos brasileiros são tão corruptos, mas tão corruptos, que corrompem até CPI da corrupção.

O evento é este aí em baixo. Se render coisas interessantes, como assissinato, eu e o Suruba prometemos contar para quem não for.

Brasil Transverso - Arte e Cultura em Debate

9 de novembro

O evento discutirá a arte contemporânea, tentando demonstrar em palavras os sinais de perplexidade que a literatura, a música, o cinema, a pintura e todo o conjunto das artes contemporâneas passam. Com Donaldo Schüller, Renato Mezzan, Diogo Mainardi, Juremir Machado da Silva e Carlos Roberto Cirne e Lima.

Teatro Bruno Kiefer, Casa de Cultura Mario Quintana
19h30min

O Ingresso é um livro novo ou usado para a doação
A troca já está sendo feita no balcão de informações da CCMQ