Tag ‘MPF’

E a agenda de amanhã?

22:49 | 05/08/09 | Rodrigo Alvares

Governo emite nota oficial sobre anúncio
de procuradores do Ministério Público (Palácio Piratini)

Em nota oficial emitida nesta quarta-feira (5) à noite, o governo do Estado afirma que o anúncio feito por procuradores do Ministério Público, em entrevista coletiva, do ajuizamento de ação de improbidade administrativa contra vários agentes públicos, deixou estarrecidos todos quantos defendam o estado democrático de direito, que é fundamentado em liberdades, direitos e deveres pelos quais as instituições republicanas devem zelar.

O texto prossegue chamando atenção para o fato de que as pessoas citadas publicamente pelo Ministério Público sequer conhecem a ação a que terão de se defender. No referido anúncio - conforme diz a nota -, são chamados precipitadamente de réus a governadora do Estado, assim como outros cidadãos brasileiros, sem que qualquer ação penal tenha sido ajuizada.

E mais: no entendimento do Supremo Tribunal Federal nem caberia ajuizamento da ação de improbidade administrativa à governadora, agente político que é. Certamente, os membros do Ministério Público Federal não desconhecem esse entendimento e, portanto, excederam-se ao ajuizar uma ação visivelmente inadequada“.

No entendimento do governo do Estado, é inacreditável que cidadãos agentes públicos possam ser atacados por outros agentes públicos sem serem notificados dos fatos que lhe são imputados.

Em nome de todo o governo, Yeda Crusius reafirma que apoia toda e qualquer investigação que siga o rito processual do direito brasileiro. Reitera também sua plena confiança na Justiça e que acompanha com serenidade os acontecimentos. E afirma ainda que aguarda o momento para mostrar a inteira correção dos atos praticados, lamentando o episódio patrocinado por membros do Ministério Público. ‘A recuperação administrativa e financeira do Rio Grande do Sul é a prova da seriedade, honestidade e probidade com que o Estado é gerido’, destaca.”

Do que Yeda Crusius tanto corre?

13:15 | 15/07/09 | Rodrigo Alvares

Yeda evita imprensa em encontro
com Lula (Diários de Brasília/ZH)


“Desgovernadora, a imprensa não quer a senhora concorra contra a Dilma?

A governadora Yeda Crusis chegou por volta das 10h Centro Cultural Banco do Brasil, em Brasília, onde encontrou o presidente Lula para apresentar o investimento de R$ 2 bilhões da GM no Estado.

Na chegada, a governadora evitou a imprensa e ingressou no prédio por uma entrada lateral. Deputados e até a ministra Dilma, que também participaram do encontro, passaram pelos repórteres e entraram pela porta principal do centro.

Quando deixou o prédio, pelo mesmo lugar que entrou, Yeda foi cercada pelos jornalistas. Porém, de forma brusca, os seguranças da governadora não permitiram o contato da imprensa. Alguns repórteres chegaram a cair no chão. Antes de entrar no carro, Yeda pronunciou apenas uma frase:

‘A reunião foi muito boa.’

A governadora seguiu para o aeroporto, onde pegará um voo de volta a Porto Alegre.”

No Bovinão tu sabes depois

14:18 | 08/07/09 | Rodrigo Alvares

Até em São Paulo sabiam desde ontem que o advogado de Lair Ferst, Lúcio de Constantino, concederia uma coletiva hoje pela manhã, mas ninguém transmitiu ao vivo. Agora, resta aos interessados ouvirem um “resumo” da coletiva na Rádio Gaúcha, pedido pelo apresentador Lasier Martins:

Advogado confirma existência de gravações
que comprometeriam governo Yeda (Zero Hora)

O advogado de Lair Ferst, Lúcio de Constantino, confirmou esta manhã a existência de gravações que comprometeriam o governo Yeda Crusius. Constantino convocou a imprensa para ler a declaração do cliente. Até então, eles não admitiam existência de supostas provas de corrupção. O advogado não confirma acordo de delação premiada. Sem dar detalhes, Lúcio de Constantino garante que os áudios vão ajudar na defesa do empresário.

‘São provas fartas. E digo mais, no interior do Rio Grande do Sul se diz chumbo grosso.’

O advogado disse que as gravações serão divulgadas às autoridades competentes em momento oportuno. Afirmou ainda que Lair Ferst aumentou a segurança particular dele e da família.”

“A governadora não está perturbada”

7:17 | 07/07/09 | Rodrigo Alvares

Tá, arrã. Quero ver o que os repórteres de Brasília vão escrever sobre isso hoje, enquanto Yeda Crusius (PSDB/RS) participa do aniversário de 15 anos do Plano Real.

yeda.gif

No meio tempo, a íntegra das acusações de Lair Ferst na denúncia ao MPF e alguns trechos para os deputados assinarem aqueles dois votos que faltam para a CPI:

FATO 01 – Esclarecimentos de que foi a Govenadora que chamou LAIR ANTONIO FERST para atuar como um dos coordenadores da campanha eleitoral, ligado diretamente a ela e ao Coordenador Geral da Campanha Marcelo Cavalcante. No início da campanha eleitoral, à época, a Candidata Yeda Crusius me chamou através de Marcelo Cavalcante para uma conversa na sede do Diretório Estadual do PSDB, foi quando ela me convidou, e fez um apelo, para que eu integrasse a cúpula da campanha.

Nesta reunião, com a presença de Marcelo que me foi apresentado, por ela, como seu Coordenador Geral de Campanha, foi acertado então, que eu e o Marcelo ficaríamos vinculados diretamente a ela, com todo o seu respaldo para atuar em seu nome no sentido de dar dinamismo e objetividade a campanha que naquele momento estava totalmente parada.

Yeda argumentou neste ato que não podia abrir mão da minha participação em vista de ser um dos melhores quadros do PSDB, com experiência em campanhas políticas. Depois desta combinação passamos a organizar e planejar o desenvolvimento da campanha que também nesta fase estava atravessando a pior crise financeira. (existe Áudio com Marcelo)”. (…)

FATO 05 – Esclarecimentos sobre arrecadação de R$ 40.000,00 (quarenta mil reais) da Empresa PERKONS EQUIPAMENTOS ELETRONICOS LTDA, que tem contrato dos Pardais com o DAER.” (…)

FATO 10 – Esclarecimentos da arrecadação de R$ 400.000,00 (quatrocentos mil reais) após a eleição, uma semana antes da compra da casa da Governadora, sem recibo, sendo R$ 200.000,00 (duzentos mil reais) da ALLIANCE ONE INTERNATIONAL, representado pelo seu Diretor, HENRIQUE CAMPESTRINI, e R$ 200.000,00 (duzentos mil reais) da Empresa CTA-CONTINENTAL TABACOS ALLIANCE S.A., representada pelo seu Diretor Presidente, ALLAN K. N. BICHINHO, ambas empresas do ramo Fumageiro de Santa Cruz do Sul e Venâncio Aires.

Esta contribuição foi intermediada por Lair Antonio Ferst e Marcelo Cavalcante, o referido valor foi oferecido pelo DEP. JOSE OTAVIO GERMANO, a Governadora YEDA CRUSIUS. Uma reunião foi realizada no escritório do Deputado por exigência dele que queria ficar com crédito político junto a Governadora para indicar o Presidente do DETRAN.

Participaram desta reunião AOD CUNHA DE MORAES JR, RUBENS BORDINI, atual Vice-Presidente do BANRISUL, LAIR FERST, o DEP. JOSÉ OTAVIO GERMANO e os representantes da empresa, este fato ocorreu no período de transição, entre a eleição e a posse, provavelmente no mês de novembro do ano de 2006.” (…)

FATO 14 - Esclarecimentos de que no final do mês de Maio RUBENS BORDINI em nome da Governadora, recebeu R$ 170.000,00 (cento e setenta mil reais), em espécie, como propina, provavelmente no Gabinete do Presidente do Tribunal de Contas do Estado, JOÃO LUIZ VARGAS, o valor foi entregue por representantes da FUNDAE e PENSANT. No dia seguinte Lair Ferst, sabedor do fato por FLAVIO VAZ NETTO, foi ao Banrisul e alertou RUBENS BORDINI que ele acabaria derrubando o Governo, pois ele era Vice-Presidente de um Banco estatal e estava envolvido em atos ilícitos.”

Os tucanos bovinos podem se identificar

17:07 | 06/07/09 | Rodrigo Alvares

Acabou de sair no site do PSDB Bovino:

Nota Oficial

A Executiva estadual do PSDB, em respeito a seu compromisso com o Estado Democrático de Direito, vem manifestar com relação ao que o jornal Zero Hora publicou nesta segunda-feira, 06/07, o que segue:

1 – São denúncias já conhecidas, desacompanhadas de qualquer prova, divulgadas com o intuito de difamar o nome e a integridade da governadora Yeda Crusius e integrantes deste partido;

2 – Entende como prática ilegítima e atentatória à Democracia o sistemático vazamento de informações que estariam protegidas por segredo de justiça, afronatndo e enfraquecendo as instituições do Estado de Direito;

3 – Contesta a condenação antecipada de pessoas idôneas, às quais é imposta a obrigação de arcar com o ônus da prova contra imputações que, por sua vez, são destituídas das mesmas.”

Como a nota não é assinada, tem apenas o selo da executiva gaúcha do PSDB - alô, Sérgio Guerra? -, seguem abaixo os nomes e links de contato com cada um dos integrantes. Bate um fio para eles, menos para um, por favor.

Executiva estadual

Nome

Zilá Maria Breitenbach
Bercilio Osvaldo Luiz da Silva
Ruy Pauletti
Tomaz Gilian Deluca Wonghon
Gilberto Teixeira da Cunha
José Carlos Breda
Vulmar Silveira Leite
Júlio César Redecker (Sim, atualizar URG)
Adilson Troca
Paulo Cesar dos Santos Brum
Marcos Antônio Ronchetti
Dalti Proszek
Lindemar Franzon
Valcir José Pacheco Ritta
Hugo Jorge Appel Prevedello
Ademir José Schneider

Esclarecimentos requentados

15:06 | 06/07/09 | Rodrigo Alvares

A desgovernadora reclama dos “fatos requentados” publicados pela Zero Hora - e pela A Nova Corja desde o ano passado -, mas bem que poderia ser mais original na hora de tentar remendar os estragos. Ao menos, entendi porque a agenda de Yeda Crusius (PSDB) hoje serve apenas para reuniões internas.

Nota de Esclarecimento

Em face das informações publicadas no jornal Zero Hora, de 06 de julho corrente, o Governo do Estado, em respeito à democracia e à população do Rio Grande do Sul esclarece que:

1º. Não há nada de novo na divulgação do referido jornal.

2º. Todas as supostas denúncias são fatos já mencionados no passado, sem qualquer comprovação, com o claro objetivo de criar dúvida e estabelecer desconfiança na relação do Governo com a Sociedade;

3º. A eleição terminou. Todas as contas da campanha eleitoral foram julgadas, auditadas pelos órgãos competentes e aprovadas, o que permitiu a diplomação da Governadora. As mesmas estão à disposição no Portal do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul.

4º. Em relação à compra da casa, o fato já foi investigado pelo Ministério Público Estadual, que determinou o arquivamento da investigação dado a legalidade comprovada pela análise da farta documentação disponibilizada pela Governadora.

5º. O Governo continua empenhado em manter a governabilidade do Estado e garantir o cumprimento de suas responsabilidades na gestão dos serviços públicos.

6ª. Celebrando o pleno Estado de Direito vigente no País, o Governo do Estado aguarda com serenidade o desenvolvimento das investigações, confiando que a Justiça seja feita e respeitando todos os princípios democráticos reafirma sua obrigação de responsabilizar os que na ânsia de atacar e agredir, afrontam a verdade e violentam a imagem de pessoas e instituições.”

Acabou a cantoria para a Yeda

13:42 | 06/07/09 | Rodrigo Alvares

Até que enfim. Só isso para tentar tirar da minha cabeça aquele vídeo de ontem. Segundo a Zero Hora, o chefe da Procuradoria Regional da República, Antônio Carlos Welter, disse que só hoje poderá confirmar se os ofícios a que o jornal teve acesso saíram da Procuradoria. Seja como for, o documento existe. Imagino como não devem estar os outros indiciados.

Lair Ferst faz denúncias contra o governo (Zero Hora)

Pivô do escândalo do Detran entregou ao MPF acusações
envolvendo campanha de Yeda e início da administração

Desde fevereiro, quando a deputada Luciana Genro deu entrevista ao lado do vereador Pedro Ruas, ambos do PSOL, revelando denúncias que teriam sido feitas por Lair Ferst contra a governadora Yeda Crusius, os gaúchos convivem com a dúvida sobre se o pivô do escândalo do Detran estaria colaborando com as investigações. A confirmação veio ontem por meio de documentos a que Zero Hora teve acesso.

No ofício OF/SECRIM/PRRS/Nº 2669, datado de 16 de abril, o procurador Alexandre Schneider encaminha ao então procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, um texto escrito por Lair detalhando 20 supostas irregularidades que teriam sido cometidas na campanha de 2006 e no início do governo de Yeda.

ZH teve acesso a 12 páginas das 13 páginas escritas em computador por Lair, rubricadas e numeradas pelo protocolo da Procuradoria-Geral da República.

Lair conta desde sua aproximação da campanha até suposta oferta de propina à governadora feita pelo grupo responsável pela fraude no Detran.

No relato, afirma que a casa de Yeda foi comprada por R$ 1 milhão, e não por R$ 750 mil, como está no contrato, e que a diferença foi paga com caixa 2.

São levantadas suspeitas sobre mais de 30 pessoas ou empresas. Lair descreve um cenário de farto caixa 2. Um dos 20 fatos afirma que a SP Alimentação, fornecedora de merenda escolar para a prefeitura de Canoas, doou R$ 500 mil que foram utilizados no início da organização da campanha.

Os valores teriam chegado ao comitê por meio de Chico Fraga, então secretário de Governo de Canoas. A SP é suspeita de envolvimento na fraude no município.

O dinheiro não contabilizado normalmente era recebido por Marcelo Cavalcante, ex-assessor morto em fevereiro, e por Walna Meneses, assessora de Yeda e, segundo o depoimento, “controladora do caixa 2”. Lair faz ataques ao ex-marido de Yeda.

Conta que Crusius era avisado da chegada de doações. Muitas vezes, à noite, diz o relato, Crusius buscava dinheiro no comitê e levava para o apartamento da candidata. Os recursos nunca mais retornavam.”

Sábado de emoções

0:59 | 06/06/09 | Rodrigo Alvares

Viúva de Cavalcante depõe no MPF e confirma
acusações de caixa 2 na campanha de Yeda (ZH)

Em depoimento ao Ministério Público Federal (MPF), a viúva de Marcelo Cavalcante, Magda Koenigkan, confirmou as acusações de caixa 2 na campanha de 2006 da governadora Yeda Crusius. Magda depôs por cerca de 11 horas, em dois dias seguidos, há cerca de três semanas. Ela foi ouvida em Brasília por três procurador federais, um do Rio Grande do Sul e dois do Distrito Federal.

De acordo com Magda, os procuradores teriam confirmado que Cavalcante tinha um depoimento agendado ao MPF para depois do Carnaval. O ex-representante do Piratini em Brasília, contudo, apareceu morto no Lago Paranoá em 17 de fevereiro.

No depoimento ao MPF, Magda confirmou as declarações prestadas à revista Veja de 13 de maio, na qual ela afirmava que Cavalcante teria repassado doações de campanha, não contabilizadas, ao marido da governadora, Carlos Crusius.

Ao final do interrogatório, Magda teve de assinar um termo de compromisso se comprometendo a guardar sigilo sobre as informações prestadas ao MPF, sob pena de sofrer sanções judiciais.

Nesta sexta-feira, Magda depôs novamente ao Ministério Público do Distrito Federal. Durante cinco horas, ela detalhou os últimos dias de convivência com Cavalcante, relatou as mensagens com teor suicida que recebeu do companheiro e falou sobre desavenças com a família do ex-assessor.

Familiares de Cavalcante impetraram uma queixa-crime contra Magda por difamação. Em mensagens trocadas pelo Orkut com a filha de Cavalcante, Magda teria sugerido que a morte do ex-marido se deu por conta de um suposto alcoolismo, atribuído a eventuais hábitos etílicos da família.

De acordo com o promotor Marcelo Leite Borges, o inquérito que investiga a morte de Cavalcante está bem encaminhado e deverá ser concluído nas próximas semanas.”

Faltam as tais fitas. A menos que alguém tenha acreditado que em um momento ela diz que elas sumiram - matéria da Veja - para logo depois falar para deus e o mundo que iria vazar tudo para todos os jornais.

Certo que não vai dar em nada

11:54 | 21/03/09 | Rodrigo Alvares

A fonte ilegal de Padilha (Isto É)

Investigação da Polícia Federal e do Ministério Público descobre depósito de R$ 267 mil de empreiteira na conta do deputado do PMDB e o denuncia ao STF sob acusação de tráfico de influência

Um inquérito que tramita sob segredo de Justiça no Supremo Tribunal Federal (STF) mostra o envolvimento do ex-ministro dos Transportes e deputado Eliseu Padilha (PMDB/RS) em crimes de tráfico de influência e fraudes em licitação.

A Polícia Federal chegou ao nome do deputado peemedebista a partir da Operação Solidária, no Rio Grande do Sul, em 2007, que apontou irregularidades em contratos da merenda escolar em municípios gaúchos e indícios de fraude de R$ 300 milhões em obras públicas.

padilha.jpg

Uma das empresas investigadas era a MAC Engenharia, do empresário Marco Antonio Camino, mencionado como operador do esquema fraudulento. A polícia descobriu vários telefonemas dele para Padilha, um dos parlamentares mais influentes no Congresso Nacional e no PMDB.

As escutas levaram à conclusão de que se tratava de tráfico de influência. ISTOÉ teve acesso aos relatórios da PF e a petições do Ministério Público Federal (MPF), que revelam um depósito de R$ 267 mil da MAC Engenharia na conta da empresa Fonte Consultoria Empresarial, cujos sócios são o deputado e sua esposa, Maria Eliane.

Numa das escutas transcritas no inquérito, Camino diz: “Aquele assunto que nós tratamos na terça-feira vai ser viabilizado 100, tá?”, Padilha tenta entender o que o empresário diz: “Não ouvi, cortou.” Camino repete: “Vai ser viabilizado 100.” Não se sabe exatamente sobre o que os dois falavam, já que as conversas eram sempre cifradas. Aliás, em quase todos os grampos os interlocutores agiam assim.

Ainda conforme a PF, com o uso de códigos nas licitações, os investigados direcionavam as obras importantes do Rio Grande do Sul para as empresas de interesse de Camino. Em outro diálogo, o empresário pede a Padilha que faça uma visita à MAC Engenharia. Camino demonstra interesse em conversar com o deputado do PMDB sobre licitações da Secretaria de Irrigação. Em nova conversa, Padilha faz referência a uma “boa notícia” que o empresário deu a ele.

O inquérito indicou elos entre a Operação Solidária e a Operação Rodin, que levantou desvios de R$ 44 milhões no Detran gaúcho. (…) De acordo com a polícia, quem repassou estas informações ao empresário foram os deputados Padilha e José Otavio Germano (PP-RS).

A PF relata que o grupo teria montado um esquema para desviar dinheiro de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O advogado Eduardo Ferrão, que defende Padilha, confirmou à ISTOÉ que o deputado efetivamente recebeu dinheiro de Camino.

Mas os depósitos de R$ 100 mil, do diálogo grampeado, teriam sido feitos para pagamento de uma casa que Padilha teria vendido ao empreiteiro. Ferrão, porém, não explica o uso da linguagem codificada para tratar de algo tão corriqueiro. Quanto aos R$ 267 mil que Padilha teria recebido da MAC Engenharia, o advogado diz que o MPF trocou o nome da empresa ao transcrever o relatório da Receita Federal.”

Crise de nervos para todos os lados

20:03 | 08/03/09 | Rodrigo Alvares

Os últimos dias passaram com vários boatos de que algo de peso estouraria contra Yeda Crusius (PSDB) em uma revista de circulação nacional e em um programa dominical. Sob esse contexto, a matéria da Carta Capital não trouxe muitas novidades e mais nada de relevante foi publicado de sexta para domingo sobre as denúncias do PSOL. Mesmo assim, tem gente em Porto Alegre que ainda não encontrou nas bancas a edição da revista com a desgovernadora na capa.

Enquanto isso, o delegado Protógenes Queiroz estava com passagem marcada rumo a Porto Alegre, mas foi proibido de viajar pela Polícia Federal. De acordo com uma fonte do PSOL, ele aterrissaria no Salgado Filho na última quinta-feira para prestar solidariedade a Luciana Genro.

Proibiram-no de deixar Brasília por causa da materia de capa da Veja desta semana, estrelada pelo delegado. Protógenes Queiroz teria usado métodos ilegais “para investigar autoridades como os ministros Dilma Rousseff (Casa Civil) e Mangabeira Unger (Assuntos Estratégicos), o ex-ministro José Dirceu, o governador José Serra (São Paulo), o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Gilmar Mendes, o filho do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o empresário Fábio Luiz da Silva”, entre outros.

Apesar das negativas de Luciana Genro - ligar domingo à tarde é o fim da picada, foi mal - e da Record sobre uma eventual reportagem que iria ao ar hoje, é certo que amanhã o PSOL vai participar de uma plenária na Assembléia Legislativa com toda a cúpula do partido - mesmo que não tenham nenhum parlamentar na Casa.

Abaixo, a programação da AL para esta segunda-feira:

“AGENDA

Atividades da Assembleia nesta segunda-feira

1) Piso Nacional do Magistério

O senador Cristovam Buarque (PDT) reúne-se com prefeitos para tratar do Piso Nacional do Magistério. Às 15h, no Espaço do Fórum Democrático. O encontro foi organizado pelas lideranças do PDT na Assembleia Legislativa.

As lideranças do PDT no Legislativo e a Frente Parlamentar Gaúcha em Defesa do Piso Nacional do Magistério, coordenada pelo deputado Fabiano Pereira (PP), participam de ato público à favor do Piso Nacional da categoria, às 16h, no Plenarinho, 3º andar. O evento também vai contar com a presença do senador Cristovam Buarque (PDT). Após, os participantes realizam caminhada até a esquina democrática para defender as reivindicações do Magistério.

2) Comissão

A Comissão de Representação Externa para Levantamento da Criminalidade no Campo, coordenada pelo deputado Jerônimo Goergen (PP), vai acompanhar, em Santana do Livramento, o início do curso de formação de policiais para patrulhamento rural ministrado pela Brigada Militar. Essa é uma das primeiras atividades do órgão técnico, instalado na última semana na Assembleia Legislativa. A comissão terá 30 dias para apurar dados, em parceria com a Secretaria de Segurança Pública, sobre crimes como o furto de gado, máquinas, pivôs de irrigação e defensivos agrícolas.

3) Exposições

A exposição itinerante RS Mulher, alusiva ao Dia Internacional da Mulher, acontece nesta semana na Galeria dos Municípios do Legislativo gaúcho. Um conjunto de banners vão mostrar o trabalho e a vida de mulheres que estiveram à frente do seu tempo, quebrando paradigmas e preconceitos.

A individual com uma série de 12 óleos sobre tela do artista plástico gaúcho Erico Santos abre a agenda 2009 de exposições do Espaço Novos Talentos da Assembleia Legislativa (Praça Mal. Deodoro, 101), assinalando o Dia Internacional da Mulher. Com pinturas de pequenas, médias e grandes dimensões, o tema da exposição, que poderá ser visitada até dia 13 de março, das 8h30 às 18h30, é recorrente na obra do artista. A exposição integra a programação do Parlamento em celebração ao Dia Internacional da Mulher.

4) Fotografia

A mostra fotográfica “Porto Alegre sob o Olhar de uma Mulher”, de Fernanda Bigio Davoglio, está em cartaz até o dia 27 de março, na Sala J.B. Scalco (Duque de Caxias, 968), com visitação das 8h30 às 18h30, de segunda a sexta-feira. A atividade integra a programação alusiva ao Dia Internacional da Mulher e homenageia a Capital gaúcha, que completa 237 anos no dia 26 de março. Integram a exposição fotos do Rio Guaíba, Ilha da Pintada, Catedral, Cais do Porto, Praça da Matriz, Mercado Público, Igreja das Dores, entre outras. Fernanda Bigio Davoglio é formada em Jornalismo pela PUC-RS e atua como fotógrafa profissional há 15 anos. Cursou fotografia no Studio Marangoni, em Florença, Itália e, atualmente, trabalha como autônoma. Ela produz fotos para as revistas Cláudia, Caras, Elle e Contigo.

5) Sindicato

A Assembléia Geral dos Servidores Penitenciários do RS acontece, às 13h30, no Teatro Dante Barone.

6) Reunião

A coordenação do Fórum da Reforma Política realiza reunião, às 18h, na Sala Alberto Pasqualini, 4º andar.”

E lá vamos nós

21:10 | 04/03/09 | Rodrigo Alvares

O desgoverno finalmente entrou no jogo. Vamos ver o que acontece amanhã:

Governo do Estado vai ao Ministério Público Federal acompanhar investigações

Em correspondência encaminhada nesta quarta-feira (4) ao procurador-geral da República, a governadora Yeda Crusius comunicou ao chefe do Ministério Público Federal (MPF) a utilização político-partidária da instituição nos ataques que o PSol tem feito ao seu governo e solicitou a adoção de providências a respeito.

Em relação às investigações eleitorais requisitadas pelo procurador regional eleitoral na terça-feira (3), o secretário da Transparência e da Probidade Administrativa, Carlos Otaviano Brenner de Moraes, esteve, por determinação da governadora, no Ministério Público e formalizou requerimento visando a acompanhar as investigações que porventura venham a ser feitas. Na mesma linha de orientação da governadora, o secretário visitou o presidente do Tribunal de Justiça e o procurador-geral de Justiça, para informar que, apesar da movimentação política contrária, o governo segue trabalhando normalmente.

Na correspondência ao procurador-geral da República, Yeda Crusius manifesta absoluta confiança na legalidade, confiabilidade e efetividade das ações do MPF e repudia as justificativas sempre feitas pelos representantes do PSol, de que as denúncias possuem base em documentos “endereçados, pertencentes ou sob a guarda segregada” pelo Ministério Público Federal. Da mesma forma que mostra estupefação pela tentativa dos denunciantes em fazer uso político-partidário daquela instituição.

Ao reafirmar ao procurador Antonio Fernando Barros e Silva de Souza a disposição em cooperar em toda a ação que contribua para a manutenção do ambiente de estabilidade política, a governadora reitera pedido de audiência já formalizado e pede ações eficazes do Ministério Público Federal para cessar “este abuso que atenta contra o governo e a sua titular”.

Já em relação ao inquérito determinado pelo Ministério Público Eleitoral, o secretário Carlos Otaviano Brenner de Moraes requereu autorização para acompanhar pessoalmente as investigações policiais.”

São 30 dias para ver quem está mais apavorado

17:33 | 03/03/09 | Rodrigo Alvares

O superintendente da Polícia Federal no RS, Ildo Gasparetto, voltou de Brasília com a requisição feita ao Ministério Público Federal sobre os tais documentos e provas existentes nas denúncias feitas pelo PSOL contra a desgovernadora Yeda Crusius (PSDB). O prazo é de 30 dias para ver quem está mentindo nessa história. E espero que ela realmente tenha um fim.

ponte.JPG
Tem uma ponte Juscelino Kubitschek no caminho de Yeda Crusius

Os nobres deputados da Assembléia Legislativa barraram o pedido da bancada do PT para solicitar ao MPF as mesmas informações. Entendo o medo da base aliada: caso pedissem acesso, poderiam consegui-las. E isso não seria nada bom para a desgovernadora, pois não faltaria parlamentar para vazar o que conseguisse - ou não - na imprensa.

Mas não creio que eles sejam ingênuos o suficiente para acreditar que nada vai aparecer durante um mês inteiro. A impressão que fica é de que o quadro da eleição de 2010 já vai estar montado no início de abril.

Sobre assessores transparentes

9:03 | 27/02/09 | Rodrigo Alvares

Do Painel da Folha de S.Paulo:

Personagem. Na esteira das novas denúncias contra o governo de Yeda Crusius (PSDB-RS), resultado de fitas que o PSOL diz ter colocado nas mãos da Justiça, um nome passou a ser repetido nos corredores da Assembleia: Walna Vilarins Menezes, braço direito da tucana.

Caderneta. Segundo aliados da governadora, é Menezes quem controla as fichas de “A a Z” dos ocupantes de cargos públicos. Ela também fazia o elo com a representação gaúcha em Brasília, que foi chefiada por Marcelo Cavalcante, encontrado morto na semana passada em circunstâncias ainda obscuras.”

Com uma função mais desconhecida para a sociedade gaúcha do que a da secretária da Tran$parência, Walna raramente teve seu nome citado em qualquer matéria da CPI do Detran. É mister que as pessoas saibam qual é a função de uma CC de Yeda Crusius que recebeu um aumento considerável em outubro de 2008 sob a forma da alteração do nível do cargo de confiança.

O Diário Oficial alterou, por exemplo, para o equivalente ao valor de CCE-12 a gratificação mensal atribuída a Walna. O que se sabe até agora: ela controla a agenda da governadora e tem grande influência sobre as nomeações. Por ela passariam todas as indicações para cargos em comissão no governo. Sem contar sua doação de R$ 4 mil para a campanha Yoda, em 2006.

Ontem, vazou a informação de que Marcelo teria verificado a possibilidade de entrar no Programa de Proteção de Testemunhas da Polícia Federal. O que pode sair hoje dessa vala deve estar em algum roteiro. Sexta-feira está aí, e as revistas semanais estão quase protinhas nas gráficas.

Se a PF e a Secretaria de Direitos Humanos já vazaram sobre o pedido de proteção de Marcelo Cavalcanti e irão rastrear suas ligações, é uma questão de tempo até que algo monstro exploda no colo de Yeda. Sem contar que a interpelação de Aod Cunha junto ao MPF fez um grande favor ao PSOL. Ou não.

Não quero explicações só de Yeda e do PSOL

12:26 | 26/02/09 | Rodrigo Alvares

O principal e eloquente argumento do Palácio Piratini é o de que o Ministério Público Federal, através do procurador Adriano Raldi, negou a existência de fitas ou provas de qualquer espécie nas mãos da entidade.

Tudo bem, é uma linha de defesa. Capenga, mas vá lá. O PSOL também poderia colaborar e soltar à imprensa o que tem - porque os dias passam e o partido só se queima a cada segundo.

Mas tem o seguinte: desde a última quinta-feira, Adriano Raldi tem sido o único representante do MPF a balizar a desgovernada. O problema é que o MPF tem, sim, documentação da CPI do Detran. E é o próprio Raldi quem confirma a existência dela nessa nota do longínquo mês de abril de 2008:

Rádio Guaíba

Jornal da Tarde – 16h00 – 10/04/08
Por: Bernardo de Souza Duarte
Data: 10/04/2008 Hora: 16:00

16h30 – Maurício Jühen – MP pode pedir quebra de sigilo de supostos envolvidos na fraude do Detran que tenham foro privilegiado. O procurador da República no RS, Adriano Raldi, membro da força-tarefa do MP federal na operação Rodin, que investiga as fraudes no Detran gaúcho, confirmou em entrevista ao programa Espaço Aberto da rádio Guaíba, que o MP federal pedirá à justiça federal, STJ, STF ou procurador geral da República, para investigar pessoas com foro privilegiado, caso necessário.

(SONORA DE ADRIANO RALDI, PROCURADOR REPÚBLICA RS)

Raldi justificou o porque do pedido da cópia dos registros do acesso de visitantes a Assembléia Legislativa entre sete e nove de maio do ano passado para verificar a visita a deputados de indiciados pela PF na operação Rodin. A suspeita é de que na data tenham ocorrido reuniões para fechar trica de contrato com o Detran da Fatec pela Fundae.

(SONORA DE ADRIANO RALDI)

Adriano Raldi explicou o porque de o MP federal ter retirado das cópias de novos depoimentos enviados à CPI do Detran, trechos em que depoentes eram confrontados com interceptações telefônicas.

(SONORA DE ADRIANO RALDI)

Nove novos depoimentos foram entregues ontem pelo MP federal a CPI. Para preservar o sigilo os deputados que quiserem acessar os dados terão que ir à secretaria da CPI e assinar um termo de comprometimento de não divulgá-lo.”

Que interessante. O MPF diz que não sabe de nada + nada, mas tem gravações com depoentes e acordos feitos com deputados há quase um ano. Mas como tudo é na base da reunião interna no Bovinão, eles ainda não descobriram nada e dizem que o PSOL alucina todas essas denúncias.

Peraí, uma contradição: como o MPF diz que as denúncias do partido não tem fundamento, se o próprio Raldi afirmou tudo isso à AL? Não são só Yeda Crusius e o PSOL quem têm muito a responder - e logo.

Iceberg se desprendeu, mesmo

15:06 | 19/02/09 | A Nova Corja

O PSOL acabou de conceder coletiva com uma série de denúncias sobre as investigações que estão no inquérito do Ministério Público Federal com áudios, vídeos e quetais sobre a campanha da desgovernadora Yeda Crusius e sobre um certo mensalinho. As nove denúncias - sem apresentação de provas - são as seguintes:

1) Recursos da Mac Engenharia para caixa 2 de campanha - R$ 500 mil repassados a Lair Ferst, Delson Martini e Carlos Crusius

2) R$ 200 mil entregues duas vezes a Aod Cunha e Lair por empresas fumageiras do RS

3) Testemunha afirma que Yeda e “outras pessoas” estariam, em uma conversa, negociando 100 mil da fraude do Detran

4) O deputado José Otávio Germano recebeu 400 mil de caixa dois pro segundo turno da campanha.

5) Lair conversando (em audio e video) com corretor sobre a compra da Man$ão A$$ombrada. Além dos R$750 mil que Yeda diz ter pago, Lair teria pago outros R$400 mil “informalmente”

6) Mensalinho distribuido pela secretária Paula Valna Villarin e pelo Delson Martini, em 2007. As empresas (blogs?) que estariam recebendo “não são conhecidas”. Nós também não temos a menor idéia de quem possa ser

7) Pagamentos de contas pessoais de Yeda feitos por agência de publicidade, inclusive “compras de supermercado”

8) Lair em audio e video negociando uma reforma feita na casa da Yoda

9) Essa perdemos em meio à fúria com a cobertura, mas logo recuperamos - R$ 100 mil de caixa 2 entregues para campanha por Humberto Busnello, empreiteiro

Todas as provas em áudio, vídeo e testemunha já estariam com o MPF, mas como WIANEY CARLET (hshshs) disse na Rádio Gaúcha, o PSOL furou eles. Outra: Marcelo Cavalcante, o “embaixador gaúcho” em Brasília que (até agora) parece ter cometido suicídio, seria TESTEMUNHA de vários desses episódios e estaria negociando com o MPF uma delação premiada pra falar.

update 15h33 - Lista das construtoras que doaram oficialmente à campanha de Yeda Crusius em 2006. Não consta a Mac Engenharia e tampouco Humberto Busnello, acusados.

.ENGEVIX ENGENHARIA S/A
.HABITASUL DESENVOLVIMENTO IMOBILIÁRIO S/A
.VIASOLO ENGENHARIA AMBIENTAL S/A
.MAGNA ENGENHARIA LTDA
.ECSAM ENGENHARIA LTDA
.ENGEPLUS ENG. CONSULT. LTDA
.ENCOP ENG. LTDA
.CONSTRUT. ANDRADE GUTIERREZ S/A
.CONDE CONSULT. ENG. LTDA

update 15h40 - Advogado de Lair Ferst, na Rádio Gaúcha, pondera que “a denúncia foi feita pelo Psol”. O A Nova Corja acredita que há um mínimo de inteligência dentro do partido (é sério!). Jogar essas informações assim no ventilador sem provas seria suicídio político e moral.

update 15h54 - Entrevista exclu$iva feita com fonte golpi$ta que esteve no cerne (palavra bunita) da investigação do PSOL:

A Nova Corja - O Ferst deu essas informações pro Psol por causa da morte do Cavalcanti?

Fonte Golpi$ta - As infos vieram de dezenas de fontes, inclusive o Lair e o próprio Marcelo Cavalcanti, mas o PSOL não vai revelar quem deu cada informação.

A Nova Corja - Mas vocês têm esses vídeos e áudios?

Fonte Golpi$ta - Não, mas foram assistidos. Os vídeos foram feitos por Lair e entregues ao MPF.

A Nova Corja - Mas por que vcs marcaram para a véspera do carnaval essa coletiva?

Fonte Golpi$ta - Porque o corpo só apareceu na terça. Não foi uma coisa planejada, o PSOL só pretendia falar depois do depoimento dele ao MPF.

Update 16h57 - A assessoria de imprensa do envia nota oficial sobre a coletiva:

PSOL revela corrupção em coletiva de imprensa

Segundo a deputada federal Luciana Genro, a morte misteriosa do ex-representante do Rio Grande do Sul em Brasília, Marcelo Cavalcante, obrigou o PSOL a compartilhar com o público as informações que vinha levantando sobre casos de corrupção do governo gaúcho, dos quais o assessor tinha conhecimento. “São informações graves e importantes. Marcelo estava prestes a ser ouvido sobre o caso do Detran e negociando sua delação premiada, pois quando abrisse seu arquivo ao Ministério Público Federal também se tornaria réu”, explicou a parlamentar.

Em coletiva de imprensa nesta quinta-feira, foram apresentados nove dados baseados em provas testemunhais e gravações em vídeo. Luciana, o presidente estadual do PSOL, Roberto Robaina, e o vereador Pedro Ruas contaram aos jornalistas que ouviram dezenas de fontes sobre os esquemas relatados, inclusive Marcelo e o lobista Lair Ferst, mas preferiam não revelar quem deu cada informação para preservar as fontes. (…)

Investigações

A investigação no MPF está sendo coordenada pelo procurador federal Enrico Rodrigues de Freitas. Também participam os procuradores Adriano Haudi, Alexandre Schneider e Ivan Mrx. A juíza é Simone Barbisan. Pedro Ruas fez questão de frisar que não teve contato com nenhum deles.

Luciana contou ainda que pedirá ao presidente da Câmara Federal, Michel Temer, que os deputados possam ter acesso aos laudos sobre a morte de Marcelo, para assegurar que o caso seja devidamente investigado. “Independentemente de ter sido assassinato ou suicídio, foi uma morte, e só por isso já merece ser apurado.”

Em tempo: o vereador Pedro Ruas, a deputada Luciana Genro e comitiva estão em reunião com Geraldo Da Camino neste momento na sede do Ministério Público Estadual de Contas. A reunião foi marcada em cima da hora por ele e, como bem acompanhamos no ano passado, o procurador não os receberia se não tivessem algo de substancial para apresentar.

Update 17h30 - Você sabe por onde anda a sua desgovernadora que ainda não se pronunciou sobre as denúncias?

Update 18h44 - Acabamos de conversar com o procurador do MPC, Geraldo Da Camino, sobre a reunião com a comitiva do PSOL. Ele disse que a única coisa apresentada foi um resumo do que foi relatado na coletiva, que “não mostraram nada de provas”, “tiveram acesso a esse material do MPF”.

Da Camino afirmou que vai verificar se há algo com o MPF, mas soou surpreso quando questionado se o PSOL não poderia ter conseguido o material com outras fontes - como Lair Ferst. “Isso vai ser uma guerra de versões”, disse. Agora, cabe ao PSOL apresentar - e logo - quaisquer provas que tenham, pois o procurador vai tirar férias de seis dias a partir de amanhã. Ou seja: mais, só quinta-feira que vem.

Apesar disso, fonte ligada ao PSDB em Brasília comentou que os tucanos por lá “ficaram apavorados” com as denúncias e completou: “Vai dar um bom carnaval, então”.

Update 21h09 - Atenção: não fique transtornado com a loquacidade da nota enviada pelo desgoverno do RS sobre as denúncias do PSOL.

Foto: Reprodução/ ZH
respostayeda.jpg

“Em resposta às demandas recebidas da imprensa, o Palácio Piratini informa que as declarações que o PSOL deu em entrevista coletiva foram desmentidas pelo Ministério Público Federal.”

Uau. Cinco horas para escrever isto com toda a demanda da imprensa? Céus, esquecemos que pólo midiático o Bovinão é.