Tag ‘Sérgio Buchmann’

Certo que não vai dar em nada

11:16 | 29/07/09 | Rodrigo Alvares

Depoimento de Buchmann deve abrir
nova investigação (Correio do Povo)

Foto: Cristiano Estrela/CP
02cpers9.jpg
Demorô

A Polícia Federal (PF) prepara estratégia para deflagrar o que pode ser denominada a Operação Rodin II. Hoje, o superintendente da Polícia Federal Ildo Gasparetto se reúne, em Santa Maria, com o delegado Gustavo Schneider, que conduziu a investigação da fraude do Detran. Denunciada em 2007, a fraude teria desviado R$ 44 milhões da autarquia, gerando uma CPI na Assembleia e que originou a Operação Rodin na PF.

Foi Schneider também quem tomou o depoimento de quase cinco horas do ex-diretor do Detran Sérgio Buchmann dois dias antes de ele ser demitido pela governadora Yeda Crusius. Buchmann teria feito declarações explosivas sobre a relação de empresas, em especial com a Atento Service, que prestava serviço de guincho para o Detran.

A empresa cobra uma suposta dívida de R$ 16 milhões, reconhecida pelo governo, que teria autorizado o pagamento à época da ex-presidente do Detran Estella Maris Simon, exonerada por se negar a pagá-la.

Gasparetto decidiu ir a Santa Maria após ler o conteúdo do depoimento de Buchmann, degravado de fitas de áudio e vídeo. No município, pretende decidir o destino das revelações do ex-presidente do Detran, também exonerado por supostamente não reconhecer a dívida com a Atento. Gasparetto poderá anexar o conteúdo do depoimento a inquéritos já existentes ou abrir nova operação investigatória.”

As trampas são intermináveis no Detran

13:03 | 21/07/09 | Rodrigo Alvares

Não tem um dia em que o arrimo das trampas do desgoverno Yeda Crusius (PSDB/RS) - também conhecido como Detran - apareça envolvido em notícias pouco abonadoras. Para não dizer escabrosas:

Lied diz que agiu de boa-fé (Zero Hora)

Foi de boa-fé que o chefe de gabinete da governadora Yeda Crusius, Ricardo Lied, disse ontem ter visitado, na terça-feira, o presidente do Detran, Sérgio Buchmann.

Na ocasião, Lied afirmou ter pedido a Buchmann colaboração para a prisão de Fábio, seu filho de 26 anos, por tráfico de drogas, a fim de que fosse evitado um “final trágico”. Buchmann negou-se a atender ao apelo, e a detenção ocorreu horas depois.

Lied prestou depoimento por 40 minutos à Corregedoria-Geral da Polícia Civil (Cogepol) na noite de domingo. Relatou que estava em seu apartamento na noite de terça-feira quando recebeu uma ligação do delegado Luis Fernando Martins Oliveira, do Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc). O policial lhe disse que precisava conversar e pediu para ir até sua residência.

Chegando ao local por volta das 22h, Oliveira relatou a existência de uma denúncia anônima contra o filho de Buchmann. Na versão do chefe de gabinete, como os policiais desconfiavam de que o jovem poderia estar armado e reagir, lhe pediram auxílio para fazer contato com Buchmann e, por intermédio dele, “franquear” o acesso à casa do jovem.

Como não sabia o número do celular do presidente do Detran, Lied ligou para uma secretária a fim de obter a informação. Relatou que, ao chegar ao prédio de Buchmann, o presidente do Detran o recebeu junto ao portão e convidou-o a entrar.

Preferindo permanecer junto à entrada, o assessor perguntou a Buchmann se ele tinha um filho que morava na Cidade Baixa. O presidente do Detran reagiu de forma ríspida, dizendo não ter contato com o jovem havia mais de 20 anos. (…)

Na quarta-feira, Buchmann havia apresentado a Zero Hora uma versão diferente. Segundo ele, os visitantes teriam lhe pedido que telefonasse para o filho a fim de avisá-lo da prisão iminente.

O presidente do Detran entendeu que, se intervisse, Fábio poderia se livrar das drogas em seu poder e, com isso, ele próprio estaria usando seu cargo para frustrar o trabalho da polícia.

Buchmann temia estar sendo empurrado para uma armadilha por Lied e pelos policiais. Fábio é filho de seu primeiro casamento e mantém com o pai uma relação distante.

Na quinta-feira, o chefe de Polícia, João Paulo Martins, havia dito a Zero Hora que os policiais tinham se dirigido ao apartamento de Buchmann na suposição de que Fábio vivesse no local com o pai. Ele declarou não ter conhecimento da presença de Lied.

O chefe de gabinete rejeitou ontem a tese de cilada apresentada por Buchmann e lembrou que a operação estava em andamento quando eles procuraram o presidente do Detran.

Lied também rebateu uma insinuação de Buchmann feita em entrevista ao programa Atualidade, da Rádio Gaúcha, na manhã de ontem. O presidente do Detran afirmou que o assessor demonstrou medo de ser gravado por câmeras de vigilância em frente ao seu prédio.

Segundo Lied, ele estava apenas preocupado em não importunar os vizinhos mais próximos da entrada do edifício.”

Tá. Arrã. Deve ter sido por isso que Lied disse há pouco na Rádio Gaúcha que conversou com Yeda Crusius sobre o caso. E afirmou que ela teve a mesma interpretação que a sua: o aviso sobre a prisão do filho de Buchmann não teve conotação política.