Tag ‘Yoda’

Demência se combate com demência

14:11 | 15/02/09 | Rodrigo Alvares

O A Nova Corja achou um abesórdo mau gosto por parte dos prófis gaúchos a acusação de que a desgovernadora do Estado do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius, é a Face da Destruição do Bovinão.

Munidos do espírito de Ju$tiça, publicamos aqui a foto da verdadeira face da destruição não só do nosso Pa$to, mas de toda a Federação:

Arrrte: Leandro Demori
yoda_destruicao.jpg

Emoticon GYodai

12:38 | 13/02/09 | Leandro Demori

Caro(a) leitor(a), você lembra dos “Changeman, o ESQUADRÃO RELÂMPAGO“?

changeman.jpg

Pois.

Ontem, depois que os prófis gaúchus afirmaram que a desgovernada Yoda é “a face da DESTRUIÇÃO do RS“, esta Corja resolveu botar para fora seus dotes artísticos [pior frase] e fazer uma pequena homenagem à vilã-em-chefe dos bovinóides.

Bem.

Lembram do GYODAI? Segundo a wikipedia, ele “era um animal espacial irracional - tanto que só sabia falar o próprio nome e gemer de dor quando usava seu poder para reviver os monstros vencidos - e fiel a seus donos mesmo quando sofria maus tratos”. [estou morrendo, liguem para a Cruz Vermelha]

Seu grito de HORROR era “Gyodai, dai dai dai dai daiiiiiiiiiii!”, uma obra-prima.

gyodai.jpg

Pois II Bem II.

Como o espírito maligno se manifesta quando não se tem nada para fazer (hoje, por exemplo, só preciso levar o lixo para fora e comprar leite), resolvi criar um pequeno EMOTICON PARA MSN inspirado na junção entre monstros.

Clique no botão direito e salve em seu computador. Depois, mande para us amiguinhus, preferencialmente para algum filho de professor:

yodai.gif

O amor é cego, mas constrói estradinhas

15:30 | 28/08/08 | Leandro Demori

Enquanto você manda e-mail para o nosso quiridu ALLceuu, postamos um fato bem amor.

Da zh.com:

“Motoristas que sofriam durante congestionamentos ocorridos na saída da Estrada do Mar (RS-389) para a freeway (BR-290) durante o veraneio terão uma nova alternativa de rota. Foi inaugurado nesta manhã o conjunto de obras que fazem a interconexão entre as rodovias (veja abaixo em gráfico ou ao lado em PDF).

Antes, quem saía da Estrada do Mar tinha de pegar a RS-030 para chegar à rodovia federal. Agora, será possível seguir pela Estrada do Mar até a RSC-101 e, de lá, entrar na freeway.

A solenidade contou com a presença da governadora Yeda Crusius, do secretário de Infra-estrutura e Logística, Daniel Andrade, do presidente da concessionária Univias, Mario Roberto Amorim Baltar, e do diretor-geral do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer), Vicente Paulo Mattos de Britto Pereira. Também foi inaugurado um paradouro na RS-389, junto ao Parque Eólico de Osório, com vagas para 42 carros.”

Bem, primeira coisa: essa estrada é uma merrequinha de menos de 5 quilômetros que pode desafogar boa parte do verão bovino. Bem OK isso, néam?

Agora esta Corja dá as entrelinhas: o trecho em questão seria feito pelo DAER, mas acabou sendo construído pela concessionária de estradas Univias. A Univias, que não poderá explorar este trecho, não teria OBRIGAÇÃO ALGUMA de construir nada de nada + nada - e fez a estradinha assim, no amor.

Como é lindo o amor. [suspiros]

Perguntada sobre esse coração aberto da Univias, a desgovernada Yoda se desgovernou e soltou os cachorros desgovernados em cima da mídia má, feia, bobona e goLLpista que só pensa em derrubar o governo 24 horas por dia. “Mas que pergunta sem cabimento”.

Querido leitor, vamos dar o nome do amor, ok? Ele se chama Duplica RS. OK OK? Vou repetir mais uma vez: D-u-p-l-i-c-a R-S. É pauta pós-eleições, para dar um empurrãozinho de mais 15 anos às concessionárias de pedágios.

O amor é cego, má não é burru não, meu fio.

Enquete da Chama Crioula

15:50 | 18/08/08 | Leandro Demori

Preocupados com a honra bovina, nós desta Corja convocamos você, leitor do pasto, a opinar sobre o assunto mais importante do ano. Já que Yoda não enviou um mísero eqüino sequer para representar o desgoverno no acendimento da Chama Crioula (>>> Chama Olímpica) queremos saber: quem você mandaria como representante no evento máximo gauchóide?

Pare de trabalhar [não leva a nada] e vote djÁ.

O resultado da enquete LSD anterior [das outras, aqui] foi este:

Titanic bate no iceberg esta semana?

Quê? 8,51% (8 votos)
Hein? 8,51% (8 votos)
Ice Corja Berg 24,47% (23 votos)
Ice TC€ Berg 19,15% (18 votos)
Em Amsterdã 39,36% (37 votos)

Total: 94 votos [FRACASSO, não avisamos ninguém. Olhem ali pro lado direito para ver se tem enquete nova, cambada].

Votem em nome do G.A.D.U.

“Agora a véia tá bem lôca” ®

15:02 | 26/07/08 | Leandro Demori

aniversario_yeda
Apaga!

When I’m sixty-four (The Beatles)

When I get older losing my hair,
Many years from now.
Will you still be sending me a valentine
Birthday greetings bottle of wine.

If I’d been out till quarter to three
Would you lock the door,
Will you still need me, will you still feed me,
When I’m sixty-four.

You’ll be older too,
And if you say the word,
I could stay with you.

I could be handy, mending a fuse
When your lights have gone.
You can knit a sweater by the fireside
Sunday mornings go for a ride.

Doing the garden, digging the weeds,
Who could ask for more.
Will you still need me, will you still feed me,
When I’m sixty-four.

Every summer we can rent a cottage,
In the Isle of Wight, if it’s not too dear
We shall scrimp and save
Grandchildren on your knee
Vera, Chuck & Dave

Send me a postcard, drop me a line,
Stating point of view
Indicate precisely what you mean to say
Yours sincerely, wasting away

Give me your answer, fill in a form
Mine for evermore
Will you still need me, will you still feed me,
When I’m sixty-four.

® Diógenes Oliveira

Uma outra história

13:44 | 21/07/08 | Leandro Demori

Vice argentino ganha popularidade após vetar Cristina Kirchner

BUENOS AIRES - O vice-presidente argentino, Julio Cobos, passou de um dirigente político com escassa repercussão na opinião pública para um dos mais populares membros do governo após o seu voto contra a proposta de aumento de impostos agrícolas da presidente Cristina Kirchner, segundo pesquisas divulgadas neste domingo, 20.

Uma sondagem da Universidade Aberta Interamericana publicana pelo diário Perfil diz que 52,7% da população tem uma imagem positiva de Cobos; 20,6% tem uma imagem regular e 11,6% negativa. Segundo a instituição, a imagem positiva anterior do vice era de 37,5%.

Outra pesquisa, publicada pelo diário Clarín e preparada pela consultora Managment & Fit, revela que 50% dos 2,400 consultados avalia o vice como “bom ou muito bom”. Sua imagem negativa é de 28%. O mesmo jornal apresenta uma pesquisa da consultora Aresco, afirmando que sete entre dez argentinos respaldam a decisão de Cobos e que entre os 2,500 consultados, 75% tem uma imagem positiva dele.

Na quinta, o Senado rechaçou um projeto de lei que buscava ratificar um polêmico sistema de aumentava os impostos de exportação sobre grãos apresentado pelo governo e que enfureceu o setor agropecuário, o qual liderou quatro grandes greves que paralisaram o país. A votação estava empatada e o vice-presidente, que também é presidente do Senado, decidiu derrubar a medida. Membros da aliança que governa o país chegaram a acusá-lo de traição e pediram sua renúncia.

Carta da desgovernadora comentada

14:23 | 14/07/08 | Marcelo Träsel

As emoções do caso Dantas, do processo do PB e da resistência ao PL 89/2003 andaram nos fazendo esquecer um pouco da desgovernadora Yoda. Mas não se enganem! Estamos de olho.

Carta-compromisso, por Yeda Crusius

Por dever de ofício e interesse cívico, mais do que qualquer outra pessoa, tenho refletido sobre os fatores que permitiram, durante tantos anos, a seqüência de atos hoje denunciados, ocorridos no Detran. Como cidadã consciente, reagi. Como governadora, tomei todas as medidas para que se averigúe até o limite de punição dos responsáveis e a recuperação dos valores tomados ao Estado.

Também temos refletido sobre isso. A conclusão óbvia é que um partido inexpressivo, quando recebe um governo de Estado por uma sucessão de acasos infelizes, precisa se ajoelhar perante partidos maiores que vêm aparelhando o Rio Grande do Sul há décadas. Outra conclusão: não se deve mexer em esquemas já montados, senão a galera se irrita, começa a brigar entre si e tudo acaba indo pro ventilador.

Enquanto nosso governo operava um rigoroso dever de casa, economizando tostões, com real ônus político, infligindo a si mesmo severíssimas restrições na despesa, tendo que dizer às justas demandas que nos chegam muitos “não” e raros “sim”, naquela autarquia surge a denúncia de milhões de reais se desviando por uma rede de ilegalidades e corrupção, por muitos anos seguidos.

Denúncia que, consta, a senhora havia recebido do vice-governador e ignorado em nome da “governabilidade”.

Isso me leva a uma primeira conclusão. Não tenho dúvida ao afirmar que o episódio do Detran, em relação ao qual sempre agi no tempo certo e no modo certo, se armou e desenrolou sob a bruma de um excessivo sentimento de autoconfiança. Somos induzidos a crer que estamos imunes, por formação e cultura, a determinadas enfermidades morais. É como se o frio e a geada nos livrassem de certas pragas. Mas isso não é verdadeiro, porque o mal sempre encontra um modo de se infiltrar pelas frestas da rotina e pelas debilidades da natureza humana, principalmente quando neste ciclo mundial as instituições mais tradicionais vão tendo que se abrir para incluir transparência e agilidade como atributos essenciais de sobrevivência no servir o público.

Não entendi bem, talvez a má poesia tenha atrapalhado, mas “sempre agi no tempo certo e no modo certo”? Não avacalha, governadora! Quanto a essa história do mal se infiltrar em tudo, sugiro a leitura de Coração das Trevas, de Joseph Conrad.

Foi tudo muito triste.

De fato.

Nenhuma alegria pode provir de algo tão lamentável.

Errado. Aqui na Nova Corja a gente está se divertindo bastante. Nóis sofre, mas nóis goza!

Nenhum dividendo político pode ser extraído legitimamente de situação tão grave. O contato com essa realidade causou abalo e sofrimento a todas as pessoas de bem. Enquanto pelo lado da gestão e do desenvolvimento econômico e social nosso governo contabiliza avanços; de outro, o Estado - não apenas o governo - saiu ferido em seus brios. E contra isso nos levantamos todos para mais uma importante tarefa caseira, em consonância com o ditado popular: casa arrombada, tranca na porta.

De novo a lengalenga dos brios feridos. Governadora, a única pessoa que se sente atingida pessoalmente por essas denúncias é a senhora. Nós, o povo, estamos é furibundos com essa roubalheira e, de certo modo, sentindo um pouco de Schadenfreude. Aliás, 48% de nós se deram conta de que o responsável por essa situação é a senhora, tanto que consideram o governo ruim ou péssimo. Mas OK, talvez algumas pessoas estejam pensando algo como “é isso que dá botar paulista no governo”.

É a segunda conclusão a que chegamos. Torna-se imperioso rever todos os nossos instrumentos de controle. O importante conjunto de medidas que estaremos adotando nos próximos dias farão do Rio Grande do Sul o Estado mais transparente e bem controlado, no que tange ao respeito ao dinheiro público, do Brasil. Vamos envidraçar as estruturas de despesa do governo, seus centros de custo, como no Detran, e montar uma rede de cruzamento de informações que irá trancar e retrancar nossas portas à ação dos malfeitores. Nosso governo não teme a luz do dia. Pelo contrário, é nela que se fortalece e dela que se alimenta. Por isto, oferecemos ao povo gaúcho nossa carta-compromisso.

Se quer resolver as coisas, melhor mandar prender todos os envolvidos nessas falcatruas e responder às questões em aberto, como por exemplo a história da compra da mansão subfaturada com recursos de origem ainda inexplicada, em lugar de tentar desmoralizar o vice-governador e desviar o foco das graves declarações do ex-chefe da Casa Civil. Criar novas entidades no governo é criar novas chances de corrupção, apenas.

Relatório do TC€ sobre Banrisul/FAURGS

18:15 | 02/07/08 | Walter Valdevino

Agora que vendemos nossa alma para a €squerda e andamos freqüentando coletivas de imprensa do P$OL, nada mais justo do que ganharmos alguns brinde$.

Além de cópia do registro de imóvel da casa da desgovernadora Yoda e da ação por improbidade administrativa, também recebemos anteontem cópia de páginas interessantes do Relatório de Inspeção Extraordinária do Tribunal de Contas do Estado, que realizou auditoria no Banri$ul em busca das falcatruas do banco com a FAURGS, a fundação da Universidade Federal Bovina.

Como você já deveria saber, postamos aqui, em 5 partes (1, 2, 3, 4 e 5) os melhores momentos do dossiê que o vice-governador Paulo Feijó preparou sobre nossa querida instituição financeiro-bovina.

O relatório, portanto, complementa várias informações do dossiê com detalhes precisos sobre as falcatruas. Nele, você encontra algumas constatações $upimpa$ e bastante úteis, principalmente agora que nosso querido banco e seus banners estão na pauta do dia:

- “os contratos realizados pelo Banrisul com a FAURGS (…) foram celebrados de forma irregular, eis que firmados sem o devido processo licitatório, em flagrante infringência ao inciso XXI do art. 37 da Constituição Federal, bem como aos princípios constitucionais da legalidade, da impessoalidade, da isonomia e da moralidade.

- “na execução dos referidos contratos ocorreram ainda irregularidades como a subcontratação indevida dos objetos, aceita de forma passiva pelo Banrisul”.

- “as contratações efetuadas pela FAURGS, a exemplo dos contratos da Fundação com o Banco, foram todos realizados de forma direta, também sem processo licitatório, ou qualquer outro meio de seleção pública, fato que se constitui como um agravante à dispensa de licitação procedida pelo Banrisul, na medida em que a contratação de terceiros (…) caracteriza-se como burla ao processo licitatório“.

- “os contratos (…) de serviços de informática contínuos, essenciais e permanentes (…) deveriam ser executados por servidores do quadro permanente do Banco. Portanto, entende-se como irregular a terceirização dos serviços de informática promovida pelo Banrisul“.

- “as subcontratações efetuadas pela FAURGS (…) eram feitas através de Pessoas Jurídicas constituídas pelos profissionais contratados (quarteirização), fato que pode ser caracterizado como fraude trabalhista.”

- “nos contratos (…) realizados pelo Banrisul com a FAURGS, para prestação de serviços de consultoria relacionados ao projeto Banrisul Sempre (…) o Banrisul não fez, nem solicitou à FAURGS qualquer controle sobre as horas trabalhadas pelos consultores na consecução do objeto, apesar do significativo valor despendido através dos mesmos (R$ 19.780.511,01).”

- Um dos mais dementes de todos: “o Banco acertou com a FAURGS (intermediadora da empresa H9) o pagamento de um valor de R$ 1.793.600,00 (…) para ter acesso ao código-fonte de um software. Entretanto, o dispêndio de tal quantia pela Auditada não encontra justificativa na medida em que o software foi desenvolvido pela FAURGS (…) a pedido do próprio Banco, que pagou integralmente as despesas pelo desenvolvimento do software, de forma que a propriedade do mesmo, bem como o próprio código-fonte, deveriam, de acordo com as práticas de mercado, naturalmente pertencerem ao Banco“.

- “a FAURGS pratica evasão de tributos ao eximir-se indevidamente do pagamento do Imposto de Renda e da Contribuição Social Sobre o Lucro”.

- “a imunidade tributária que a FAURGS indevidamente se atribui constitui-se como vantagem desta (…) sobre os demais concorrentes [em “eventuais processos licitatórios”]”

- “a FAURGS cometeu infrigências a Resoluções do Conselho Federal de Contabilidade (…), em razão de ter omitido receitas nos seus Demonstrativos Contábeis relativos ao exercício de 2006, eis que informou ter auferido uma receita total de R$ 6.294.421,11, quando somente o Banrisul faturou o valor de R$ 24.233.743,65“.

- “as fundações de apoio freqüentemente apropriam-se da responsabilidade social e da força simbólica da “marca” das universidades a que estão vinculadas para firmar contratos com órgãos públicos (…) onde os verdadeiros interesses são somente privados“.

- “existe uma relação de simbiose entre a FAURGS e alguns de seus contratados (…), resultando em favorecimento direto a estes últimos, como se exemplifica pela relação mantida entre a Fundação e o Sr. Daniel de Oliveira Pinto“.

- “Estranha-se o fato de que uma empresa recém constituída (a H9 Projetos Serviços e Consultoria de Negócios Ltda. foi constituída em 21-09-2005), com capital registrado de apenas R$ 1.000,00, e que nunca tinha emitido nenhuma nota fiscal, tenha faturado no período de jan/06 a maio/2007, o significativo valor de R$ 6.984.600,00. Observa-se que das 27 notas fiscais emitidas no período (do no 001 a 027), 21 documentos fiscais foram emitidos contra a FAURGS, fazendo referência genérica ao Projeto “Reformulação do Banrisul“.

- “relação de favorecimento direto que há entre a FAURGS e alguns de seus contratados [”denúncia trazida a esta Corte de Contas pelo Sr. Vice-Governador” (…)]. Ocorre que o Sr. Daniel de Oliveira Pinto, sócio das Empresas LNXOPEN Informática Ltda. (participação de 28% das cotas) (…), e Execução Gestão e Consultoria em Informática Ltda. (participação de 50% das cotas) (…), empresas contratadas pela Fundação para a execução do contrato com o Banrisul, além de obter (para suas empresas) da FAURGS diversos Atestados de Capacidade Técnica convenientes (…) para participação em litações públicas relacionadas a serviços na área de informática, atua, também, como Procurador da FAURGS em processos licitatórios, nos quais poderia, inclusive, participar (através de suas empresas) como concorrente da Outorgante (FAURGS).”

- E disputando com a demência do código-fonte do software, temos, em explicação bastante didática, que… “consta que o consultor Villi Vitório Longhi, da Empresa MBS - Estratégias e Sistemas Ltda., teria, nos meses de junho e agosto de 2007, prestado 800 horas de consultoria, por mês, ao preço mensal de R$ 120.529,94 (R$ 150,66/hora). No mês de julho de 2007, teria prestado 792 horas de consultoria ao preço de R$ 119.324,69 (R$ 150,66). Ora, não seria logicamente possível ao consultor ter efetivamente prestado o número de horas informado (800 horas nos meses de junho e agosto e 792 horas no mês de julho) se um mês de 31 dias (o que não é o caso de junho que tem 30 dias) possui apenas 744 horas (31 x 24h)”.

Clica aqui para baixar o relatório em pdf delícia (tá um caos e com páginas fora de ordem, mas a diversão é garantida).

O Dirceu de Yeda

13:40 | 30/06/08 | Marcelo Träsel

Como esta Corja avisou há algumas semanas, o Barbicha citado nas gravações divulgadas pela CPI do Detran seria o marido de Yeda, Carlos Crusius. Pois a Folha de São Paulo foi atrás do assunto, conseguindo sabe-se lá como informações que a mídia bovina, mesmo com 100 vezes mais repórteres em Porto Alegre, não tinha. A matéria do jornal do Fumação é restrita a assinantes, mas você pode conferir os melhores momentos abaixo:

No auge da crise que derrubou quatro secretários de Yeda Crusius (PSDB) no Rio Grande do Sul, uma afirmação era ouvida amiúde nos corredores das secretarias de governo e no Palácio Piratini: “Chega de intermediários; Carlos Crusius na Casa Civil”.

Esse trecho aqui complica a vida da desgovernadora, caso surja algum tipo de irregularidade nas contas de campanha — digamos, por exemplo, o uso de sobras não declaradas para adquirir imóveis:

O trabalho de Crusius já era perceptível nos bastidores da campanha. Ele estava no seleto grupo que organizava a arrecadação. O marqueteiro do primeiro turno da campanha, Chico Santa Rita, o define como “um personagem estranho, que se metia em tudo, mas não resolvia nada”. “Volta e meia a gente ia fazer uma reunião da área de marketing e estava lá o Carlos Crusius; ia participar de uma reunião financeira, estava lá o Carlos Crusius; ia fazer uma reunião de plano de governo ou de pesquisa e estava lá o Carlos Crusius.”

Embora tenha o cargo de presidente do Conselho de Comunicação do Estado, Crusius se finge sempre de barata morta (para não levar chinelada?):

Questionado sobre sua participação no governo, Crusius — avesso a entrevistas — diz que “marido é marido”. “Eu sou uma pessoa totalmente desimportante”, afirmou.

Parece que, ao contrário do presidente Lula, Yeda nem poderá argumentar que “não sabia de nada”. Ao menos o déspota cachaceiro não dividia a mesma cama com José Dirceu — até onde se sabe.

Mensalinho gaúcho? Junta os pontos e vai

22:07 | 25/06/08 | Rodrigo Alvares

Eu acho interessante que todos percam tempo culpando a Zero Hora pelo abafa geral na crise desgovernada, mas não escrevem nada sobre outros veículos de comunicação muito, mas muito influentes no Bovinão. Como temos leitores ciosos da falcatrua que comanda a vala no Bovinão, claro que alguns de nossos contatos não se medram em enviar algumas dicas sobre como a arquitetura Cezar Bu$$atto de alian$as políticas funciona atualmente no Rio Grande do Sul.

Sabem aquela história devidamente sepultada sobre o esquema de mensalinhos que os jornalistas gaúchos receberiam para que não criticassem os governos?

Pois bem. Saiba que tu, eleitor bovino, patrocina a conivência desses colunistas com a falência do Estado. Como? Simples: em boa parte, as estatais pagam para que seus banners apareçam nestes blogs. Existe até um padrão de quais e as respectivas hierarquias delas dentro dos sites.

Resumindo: o governo - seja ele de qualquer partido - paga preventivamente a esses jornalistas, que conhecem todas as falcatruas, para que fiquem quietos e não publiquem nada que possa comprometer o governo porque, tu sabe, eles têm milhões de leitores que não precisam se informar através da RBS e do Correio do Povo.

Parte do e-mail enviado:

“Assunto: Mídia chantagista

Segue um textinho bem ruim que eu montei, só pra dar uma noção da história.

O que leva anunciantes como Prefeitura de Porto Alegre, Banrisul, ATP, Assembléia Legislativa, BRDE, Cremers ou Simers a comprar mídia em sites sem expressão, tais quais os de Políbio Braga, Gilberto Simões Pires, Ricardo Orlandini, Felipe Vieira, José Previdi, Diego Casagrande, Rogério Mendelski ou Bibo Nunes? Certamente não é a repercussão ou os preços camaradas.

Existe quase que uma máfia dos “jornalistas de opinião”, que pressiona esses órgãos e entidades a anunciar. Se um deles ousar comprar espaço em apenas um site, corre o risco de ver seu nome na lama pelos demais. Qualquer gerente de marketing sabe disso e tenta não correr o risco.

Não se sabe se a lenda de que os tais jornalistas vão se dedicar a esculhambar a vida de seus não-anunciantes procede ou se foi plantada por alguma agência de publicidade querendo levar o seu… Se o caso fosse este, eu chutaria a Plenna, que atende a contas como Cremers, Prefeitura de Canoas, TVI – leia-se Bibo Nunes – e Band – lembre de Felipe Vieira – e adora disputar uma licitação de órgão público.

Claro que anunciar não garante que os caras falem bem, só que não falem mal. Mas muitos são “pró-ativos” e gostam de sair em defesa de seus patrocinadores (o que acaba pegando mais mal do que bem, mas eles são muito burros). Há uma ameaça velada desses “formadores de opinião” contra os órgãos que anunciam. Portanto, eles se previnem de campanhas difamatórias, porque seus públicos de interesse lêem esses infelizes (médicos, acionistas, gente velha em geral).

A questão é, se os “jornalistas” realmente ameaçam é porque sabem de falcatrua desses órgãos, mas ficam quietinhos, calados pelo valor do anúncio…

Pen drive é intriga da oposição, diz Feijó

15:51 | 19/06/08 | Marcelo Träsel

A assessora do vice-governador publicou uma resposta à história do pen drive incriminando Feijó como um dos maiores sonegadores do Estado:

Esta teoria de que o feijó seria sonegador ou mau empresário sempre vem à tona quando querem tentar desmoralizá-lo, lembram quando ele foi a comissão se serviços públicos falar sobre o Lemos? As mesmas coisas foram ditas e respondidas pelo vice na hora. Se existisse qualquer processo contra ele por qualquer motivo que fosse isto já teria sido explorado e muito por seus centenas de inimigos políticos. A única forma de tentar desmoralizá-lo é agindo desta forma, espalhando boatos difamatórios.

Ela também fez um telefonema para avisar sobre a resposta. Reiterou que a desgovernadora já teria usado uma informação dessas há muito tempo (com o que o Con$elho Editorial da NC concorda) e apontou a equipe da Coletiva Editora* o grupo político de José A. Vieira da Cunha e José Luiz Fuscaldo, diretores da Coletiva.net, como fonte da renovação da boataria, porque são ligados ao PMDB — verdade, José A. Vieira da Cunha dirigiu a TVE durante o governo Britto. Ora, vejam só:

Coletiva.net com anúncio do Banrisul

Interessante que nosso leitor Políbio Braga também tem patrocínio do Banrisul, uma das empresas públicas prejudicadas pela divulgação da gravação da conversa entre o vice-governador e Bu$atto. Outro que tem patrocínio do Banrisul é o Previdi, amigaço do Políbio Braga que tem batido forte no vice-governador. Não custa lembrar também que durante o depoimento de Feijó à Comissão de Serviços Públicos, sobre o Banrisul, em abril de 2007, ele foi chamado de psicopata pelo deputado peemedebista Alceu Moreira.

De novo, quem tiver uma teoria da conspiração pode usar o espaço de comentários.

O Con$elho Editorial da Corja aproveita para avisar a integrantes de todos os partidos, CCs, funcionários públicos e assemelhados que podem enviar seus boatos sempre que quiserem, tendo certeza de que serão divulgados sem a menor checagem de fatos. Todos os editores da NC são filhinhos de papai irresponsáveis, cujo único prazer é ver o circo pegar fogo.

* A redação anterior dava a entender que a empresa Coletiva.net tinha a ver com o caso, quando na verdade a assessora se referia aos proprietários da mesma. O pessoal de lá fez a gentileza de nos avisar. Evidentemente, a culpa do equívoco é do redator do post, não da assessora.

Novo jeito de aumentar salário

9:30 | 19/06/08 | Marcelo Träsel

A desgovernadora Yoda ontem defendeu o aumento do próprio salário em um discurso para prefeitos de todo o Estado. O pior é que ela tem razão em achar que R$ 7,1 mil é um vencimento ridículo para o cargo mais importante do Rio Grande do Sul. Deve ter até ascensorista da Assembléia Legislativa ganhando mais do que isso.

Ninguém pode ganhar mais do que o governador no Executivo, então a medida permitiria aumentar os salários de secretários e assessores. Quem sabe assim o dízimo partidário conseguiria dar conta das campanhas e não seria necessário desviar recursos do Detran, CEEE, Banrisul…

O problema é que, de novo, Yoda evidencia a mais completa incapacidade política. Deve ter sido difícil para ela decidir se introduzia o assunto agora, ou se aguardava um momento em que seu governo estivesse ainda mais afogado no mar de lama. Afinal, a desgovernadora parece auferir um enorme prazer em fazer as coisas na hora errada.

A desgovernadora também aproveitou para se fazer de vítima mais uma vez, dizendo que será submetida a “testes” e fazendo aquela chantagem emocional imbecil de que a CPI do Detran está “arranhando a imagem do Estado” no resto do Brasil e zzz.zzzzz.zz.zzz. Explicar as afirmações de seu ex-chefe da Casa Civil e como foi feita, afinal, a compra de sua casa, nada.

Demência a galopes

17:59 | 18/06/08 | Rodrigo Alvares

De banditismo, ninguém mais qualificado para falar. Do site do PSDB bovino:

PT age ilegalmente na CPI do Detran

Bancada petista na CPI do Detran usou dados de sistema exclusivo da Polícia, diz PSDB

“A bancada do PT usou, durante sessão da CPI do Detran, dados consultados diretamente do SIP (Sistema de Informações Policiais), denuncia a assessoria do PSDB. O banco de dados é de utilização exclusiva de policiais (civis e militares) em trabalho de investigação. Os petistas teriam contado com o assessoramento do Major Fábio Duarte Fernandes: a cada nome citado na sessão, ele consultava seu computador portátil e municiava os deputados oposicionistas com informações até da folha corrida da pessoa.

A líder da bancada do PSDB, deputada estadual Zilá Breitenbach, denunciou o procedimento na Assembléia Legislativa.”

Estranho, se cada nome citado na sessão com ligações ao governo tem uma extensa ficha corrida, o pior banditismo nesse caso não é exatamente dos petistas.

Como se defender dos golpistas - Pê Tê 101

12:45 | 17/06/08 | Rodrigo Alvares

Data: 16/06/08 17:53
De: informativo@ninhotucano.com.br
Assunto: :: Tucanos na Praça , contra o Golpe ::

:: Tucanos na Praça ::

“Mudando o comportamento sempre aberto ao debate democrático filiados e simpatizantes do PSDB estão indo ás ruas e praças para protestar contra a tentativa de golpe no Governo Yeda.

Eu cobrei: um milhão e meiô

Os tucanos estiveram na semana que passou na Esquina Democrática, em Porto Alegre, no domingo foi ao Brique da Redenção na Capital e nesta segunda feira frente ao Palacio Piratini, levando á governadora seu apoio.Centenas de tucanos protestaram cantaram e gritaram contra o Golpe, lembrando que Governo se ganha no voto.

Ele disse que ela é sem-vergonha mesmo. Ela faz assim. Ela logra as pessoas, ela joga uns contra os outros

Os organismos de ponta do PSDB organizaram as manifestações e vão permanecer vigilantes, segundo suas lideranças.

Fala, Liderança!

As manifestações deverão continuar até que a população esteja consciente que a CPI do Detran, transformou-se num palanque eleitoral e que a oposição, na verdade quer é desestabilizar o Governo Yeda. Esta é a linha de pensamento das lideranças do PSDB no Rio Grande do Sul.

Posso falar por telefone?

De acordo com a deputada Zilá Breitenbach, presidente do PSDB / RS , ‘o partido segue em alerta na defesa do governo eleito democráticamente.’

Se é guerra, é guerra

Diga não ao Golpe, Governo se ganha no voto!

(Sua chamada está sendo encaminhada para a caixa de mensagens, e estará sujeita à cobrança após o sinal)

Assessoria de Imprensa do PSDB/RS”

É esgoto isso aí?

Bom, imagino que os 40 indiciados pelas falcatruas no Detran sejam todos golpistas. Que dizer então de Delson Martini e Marcelo Cavalcante, alçados ao cargo de secretários durante as investigações para terem foro privilegiado. Os dois, aliás, foram indicados pela própria desgovernadora. É a primeira vez que vejo alguém no executivo do Piratini aplicar um auto-golpe. Depois, a culpa é do PIG (Partido da Imprensa Golpista ou Governista? Nem a Yoda sabe mais em quem atirar).

A queda da desgovernadora

15:21 | 15/06/08 | Marcelo Träsel